/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Elementos para o estudo da crítica de cinema na década de 1960.
Autor
Alessandra Souza Melett Brum
Resumo Expandido
Durante a década de 1960, a crítica de cinema ocupou seu espaço nas mais diversas publicações em todo o país. Mesmo os pequenos jornais traziam em suas poucas páginas uma coluna destinada ao cinema, ampliando assim o exercício da crítica e cumprindo um importante papel ao suprir uma lacuna em um cenário editorial com poucas revistas especializadas.

Essa abertura por parte da imprensa escrita à crítica de cinema está intimamente relacionada com a efervescência cultural do período e, sobretudo com as transformações estéticas pelo qual passava o cinema. Há nesse momento uma pluralidade de tendências em oposição ao modelo clássico do cinema, culminando no que se convencionou denominar de cinema moderno. O interesse da crítica nesse cinema que emerge pode ser observado pelo grande número de artigos dedicados ao primeiro longa-metragem de Alain Resnais, Hiroshima Mon Amour, antes, durante e depois de sua exibição no Brasil. O rico e amplo material produzido pela crítica a Hiroshima Mon Amour nos fornece bons elementos para uma compreensão mais ampla da atuação dos críticos de cinema no período, ao revelar estratégias e referências de análise, percursos para driblar o espaço limitado da coluna jornalística, relações entre seus pares, etc.

Tomamos como fonte de pesquisa para esse estudo a série de cinco artigos sobre Hiroshima Mon Amour de Paulo Emílio Sales Gomes para o Suplemento Literário d’ O Estado de S. Paulo, os quatro artigos de Walter da Silveira publicados no Diário de Notícias de Salvador, os cinco textos de José Haroldo Pereira para o Folha de Minas e seis artigos de José Sanz para o Jornal do Commercio. Acrescentamos ainda os artigos de José Lino Günewald, Antonio Moniz Vianna, Ely Azeredo, Maurício Gomes Leite, Glauber Rocha e David Neves. Esse conjunto de autores demonstra também uma das especificidades do trabalho do crítico na década de 1960, que é a atuação de diferentes gerações nos mais diversos espaços jornalísticos, num diálogo rico em possibilidades e numa troca de ideias que refletia as experiências e anseios de cada geração.

Bibliografia

Essa comunicação está apoiada em fontes primárias e periódicos brasileiros da década de 1960.

BRUM, Alessandra. Hiroshima Mon Amour e a recepção da crítica no Brasil. Campinas, Tese de Doutorado, IA/UNICAMP, 2009.

SOUZA, José Inácio de Melo. A Carga da Brigada Ligeira: Intelectuais e Crítica Cinematográfica, 1941-1945. São Paulo, Tese de Doutorado, ECA/USP, vol. I, 1995.

XAVIER, Ismail. O Cinema Brasileiro Moderno. São Paulo: Paz e Terra, 2001.