/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Forma-Ensaio e Documentários Biografia: contaminações, jogos, estéticas e política
Autor
Patricia Rebello da Silva
Resumo Expandido
“Pan-Cinema Permanente” (2008), de Carlos Nader, e “Person” (2007), de Marina Person, são dois documentários excepcionalmente próximos e distantes ao mesmo tempo. Ambos são documentários-biográficos, quase uma subdivisão dentro dos vários modos de se pensar o documentário; ambos falam de pessoas muito próximas dos respectivos realizadores; e exatamente por conta dessa proximidade e do sentimento que levou à realização dos filmes, ambos acabam confundindo e misturando autor e personagem, biógrafo e biografado. Um traz imagens do excesso de convivência; o outro, da falta de convivência. Ainda assim, ambos Carlos e Marina confessam terem sido ‘soprados’ durante a realização, pela genialidade de seus personagens.

O resultado disso são dois filmes onde não se sabe bem ‘quem fala sobre quem’: se o realizador sobre o personagem na tela, ou se as imagens do personagem na tela sobre o realizador. Essa comunicação tem como objetivo, a partir da análise de fragmentos dos filmes citados, entender os meios pelos quais a forma ensaio contamina o documentário biográfico e o transforma em um ensaio auto-biográfico.

“Chamo de personagem toda pessoa que intervém em um filme, seja ele de ficção ou documentário” escreve Jean-Louis Comolli (COMOLLI,2004,103). Começar por Comolli nos parece uma boa estratégia, na medida em que ele circunscreve de forma bem particular a questão do personagem no documentário. Segundo o autor, os atores de documentários, sejam eles profissionais ou não, trazem para o universo do filme o seu próprio mundo real, “sua história, sua vida, seus conflitos, suas falhas, seu meio, sua atividade particular, todas as dimensões que se articulam a seu corpo, sua palavra, sua densidade, seu desejo” (COMOLLI,2004,103-04). É tudo isso que se filma quando se filma alguém, é a partir destes elementos que o realizador vai construir o seu personagem. Ou seja, é preciso escrever, criar ‘a partir’ de uma história já dada, uma forma de agir e de pensar. Mas esse personagem, construído pela vida e pelas experiências que acumulou durante o percurso, nos escapa, continua ele, na medida em que é seduzido pela idéia de ser filmado. E na ausência de um script, de um roteiro pronto que lhe sirva de guia, ele é orientado por sua própria necessidade de encenação. E então, é aí que o personagem que saímos de casa para filmar se transforma em outro. E é na sensibilidade do documentarista para perceber esse tênue limite entre diferentes modalidades de representação que começa a ser escrito um outro filme.

Documentários como “Pan-Cinema Permanente” e “Person” reafirmam uma tendência saudável na política do documentário contemporâneo, de se colocar para além do território da informação, e de se mover em direção ao espaço das metamorfoses e das ambigüidades. Existe menos comprometimento com a construção da imagem, que uma atitude de observação da sua modificação. Ou, como aponta André Brasil, “trata-se de um trabalho por meio das imagens e sobre as imagens, ou ainda, um trabalho que nos mostra a maneira como a própria história se faz em imagens” (FURTADO,2009,19). Diferentes de grande parte dos filmes biografias, mais adaptados ao formato de documentário televisivo que, como definiu de forma fundamental o crítico Jean-Claude Bernardet, fizeram da entrevista o “feijão com arroz” dos documentários, os filmes de Carlos Nader e Marina Person se destacam exatamente por deslocar as posições de realizador e personagem e, com isso, modificar de forma radical o filme que ‘saíram de casa para fazer’.

Bibliografia

ADORNO, Theodor. Notas de Literatura I. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003.

AGAMBEN, Giorgio. Infancia e Historia: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005

BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e Imagens do Povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

COMOLLI, Jean-Louis. Voir et Pouvoir: l’innocence perdue. Paris: Éditions Verdier, 2004

FURTADO, Beatriz (org). Imagem Contemporanea vol. 1. São Paulo: Hedra, 2009

GAGNEBIN, Murielle. L’Essai et le cinéma. Paris: Éditions Champ Vallon, 2004

NINEY, François. L´Épreuve à L’écran. Bruxelas: Éditions De Boeck Université, 2002

RANCIÈRE, Jacques. A Partilha do Sensível. São Paulo: EXO Experimental org, Ed. 34, 2005

SEDLMAYER, Sabrina, GUIMARÃES, César, OTTE, Georg (org). O comum e a experiência da linguagem. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007

SIQUEIRA, Marilia Rocha de. O Ensaio e as travessias do cinema documentário. Dissertação de mestrado. 187p. Belo Horizonte: UFMG,2006.