/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Sobre o papel da “passagem” na evolução da representação do movimento em arte
Autor
Cristian Borges
Resumo Expandido
O movimento vem sendo representado pelas artes visuais, de maneira mais ou menos complexa e problemática, desde pelo menos a Antiguidade greco-romana. Em sua tese de doutorado, publicada em 1893, o historiador de arte alemão Aby Warburg não apenas defendia a supremacia do movimento contra um suposto repouso na arte renascentista italiana – e, em particular, na obra de Sandro Boticcelli –, como afirmava que a necessária amplificação desse “movimento aparente” (expressão que logicamente nos remete ao cinema) advinha justamente dos modelos clássicos: ao agitarem não somente seus personagens, mas principalmente os “acessórios animados externos: vestimentas e cabeleiras” (Warburg). Porém, enquanto que na pintura o movimento se expressava através dos detalhes (de cabelos e roupas, por exemplo), no cinema é o próprio movimento que passa a ser detalhado, decomposto e recomposto, como resultado direto das cronofotografias de Marey e Muybridge, por vezes sacrificando-se uma definição nítida das figuras registradas. Por outro lado, enquanto a fotografia produziria uma espécie de concentração temporal em seu recorte espacial, sobretudo a partir do advento do instantâneo, o cinema processaria uma diluição temporal, justamente através da “passagem”, fundamento da imagem cinematográfica. Deste modo, o caráter algo “fetichista” da imagem fotográfica desapareceria, por assim dizer, diante do movimento aparente reproduzido analogicamente pelo cinema. A “passagem” implicaria a deformação constante e ininterrupta dos componentes da imagem, desde que projetada – o que a aproximaria de outros elementos em fuga, tais como a água, o gás e a corrente elétrica (Valéry). Ela implicaria, ainda, um percurso, apontado por Warburg na virada do século XX, ligando a “imagem em movimento” a um “saber-movimento das imagens” (Didi-Huberman). Diferentemente da pintura e da fotografia, o cinema ultrapassaria, desde o início, a simples “imitação das aparências” para atingir a “restituição da presença” (Michaud). Percebe-se, deste modo, a manifestação numa imagem cinematográfica de um duplo evento relativo à “passagem”: o surgimento e o desaparecimento quase simultâneos das figuras, num vai-e-vem fantasmagórico, parente próximo da “dança serpentina” criada por Loïe Fuller e registrada nos primeiros anos de vida do cinematógrafo Lumière.
Bibliografia

Beckman, K.; Ma, J. (ed.). Still Moving: Between Cinema and Photography. Durham/Londres: Duke University Press, 2008.

Didi-Huberman, G. L’Image Survivante: Histoire de l’art et temps des fantômes selon Aby Warburg. Paris: Minuit, 2002.

Kuleshov, L. Écrits (1917-34). Lausanne: L'Age d'Homme, 1994.

Liandrat-Guigues, S. Esthétique du mouvement cinématographique. Paris: Klincksieck, 2005.

Machado, A. Pré-cinemas e Pós-cinemas. Campinas: Papirus, 1997.

Marey, E. J. Le Mouvement. Nimes: Jacqueline Chambon, 2002.

Michaud, P.-A. Aby Warburg et l’image en mouvement. Paris: Macula, 1998.

Michaud, P.-A. (dir.). Le Mouvement des Images. Paris: Centre Pompidou, 2006.

Schefer, J.-L. Du monde et du mouvement des images. Paris: Cahiers du cinéma, 1997.

Valéry, P. Degas Dança Desenho. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

Warburg, A. La Naissance de Vénus et Le Printemps de Sandro Boticcelli: Étude des représentations de l’Antiquité dans la Première Renaissance Italienne. Paris: Allia, 200