/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
CINEMA BRASILEIRO NOS ANOS 200. DESEMPENHO E CRISE NO MERCADO DE SALAS
Autor
João Guilherme Barone Reis e Silva
Resumo Expandido
A comunicação apresenta algumas reflexões sobre os levantamentos iniciais do projeto de pesquisa Comunicação, tecnologia e mercado. Assimetrias, desempenho e crise do cinema brasileiro contemporâneo, do qual objetivos, estrutura e estratégias metodológicas foram relatados neste Seminário Temático em 2009. Em 2003 os filmes brasileiros foram vistos nos cinemas por 22.055.249 espectadores, correspondendo a 21,4% do mercado de salas. Um desempenho comparável aos melhores anos da época da EMBRAFILME, com índices de ate 30%. A queda na venda de ingressos começou em 2004, com uma redução para 16.410.957 espectadores. Em 2005, foram 10.744.280 ou 11,9% e a curva descendente se acentuou em 2006 e 2007, até atingir a marca de 10% em 2008. Um dos objetivos da pesquisa é aferir o desempenho dos filmes no mercado de salas, considerando as categorias de alto despenho (acima de 1 milhão de espectadores); médio (entre 500 mil e 1 milhão); médio-baixo (entre 100 mil e 500 mil) e baixo (entre 50 mil e 100 mil). Os levantamentos indicam que no ano de 2003 foram lançados 29 filmes nacionais no circuito de salas, dos quais apenas 7 alcançaram público superior a 1 milhão de espectadores(24%). Outros 3 filmes ficaram na faixa do desempenho médio (10%), 5 ficaram na faixa médio-baixo (21%) e outros 5 registraram baixo desempenho (17%).Há ainda um conjunto de 8 filmes que registraram desempenho abaixo de 50 mil espectadores (28%).

Os números são indicadores de assimetrias que vão se acentuar nos anos seguintes, com poucos títulos ultrapassando a marca de 1 milhão de espectadores, uma redução significativa também nas faixas de desempenho médio e médio-baixo e um aumento considerável dos filmes que registram público abaixo de 50 mil espectadores. A comunicação trabalha também com algumas análises de tendências temáticas. Dos títulos lançados em 2003, 41% eram dramas, 28% comédias, 17% documentários e 14% filmes infantis. Um dos objetivos da pesquisa é também verificar o comportamento dessa distribuição temática nos anos seguintes em relação ao público. Considerando ainda as variáveis tecnológicas, os levantamentos permitem identificar a participação dos lançamentos em suporte digital no circuito de salas de exibição, em relação ao geral do mercado. Com relação aos fatores institucionais, serão analisados os efeitos e desdobramentos do desempenho dos filmes lançados, em relação aos agentes do setor e às políticas públicas de fomento e regulação.

Bibliografia

ALMEIDA, Paulo Sérgio e BUTCHER, Pedro. Cinema, Desenvolvimento e Mercado. BNDES – FILME B, Rio de Janeiro, 2003.

AMANCIO, Tunico. Artes e Manhas da Embrafilme. Cinema estatal brasileiro em sua época de ouro (1977-1981). Eduff. Niterói, 2000.

ARAÚJO, Vicente de Paula. A Bela Época do Cinema Brasileiro. Ed. Perspectiva. São Paulo, 1976.

GARDNIER, Ruy. Cinema Brasileiro Anos 90: 9 Questões. Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, 2000.

HESMONDHALGH, David. The Cultural Industries. Sage Publications, Londres, 2002.

JOHNSON, Randal, The Film Industry in Brasil – Culture and State. University of Pittisburgh Press, Pittisburgh, 1987.

MELEIRO, Alessandra (org.). Cinema no mundo, volumes I, II, III, IV, V. São Paulo: Escrituras - Iniciativa Cultural, 2007.

RAMOS, José Mário Ortiz. Cinema, Estado e Lutas Culturais. Anos, 50/60/70. Ed. Paz e Terra. Rio de Janeiro, 1983.

SIMMS, Anita. Estado e Cinema no Brasil.Annablume-USP, 1997, São Paulo.