/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Os Visitantes da Noite: O Fantástico e o Filosófico no Cinema
Autor
Erick Felinto de Oliveira
Resumo Expandido
Noção exaustivamente explorada no domínio dos estudos literários, o fantástico ainda se manifesta como categoria híbrida e difícil de precisar. Não obstante as diversas tentativas de assimilá-lo ao instrumental das teorias da narrativa (Todorov, Viegnes), o fantástico insiste em escapar a toda espécie de sistematização exaustiva, ao modo de outros termos sugestivos com os quais entretém íntimas relações, como "imaginário", "maravilhoso", "extraordinário" ou "estranho" (o Unheimlich freudiano). No cinema, o fantástico emerge como força constitutiva, porém continuamente reprimida pela maioria dos discursos que buscam dar conta de sua história (Machado). O objetivo deste trabalho é pensar as possíveis relações que o fantástico mantém com o reflexivo. Em outras palavras, trata-se de pensar o fantástico como dispositivo fomentador de uma dimensão filosófica na experiência cinematográfica. Tomando como exemplo e estudo de caso o esquecido filme de Marcel Carné, "Les Visiteurs du Soir" (1942), pretende-se analisar o estatuto das "imagens fantásticas" no cinema, esclarecendo suas conexões com as idéias clássicas do espanto (taumaséin) e a perplexidade filosófica. A proposta central do trabalho é caracterizar o fantástico não como conceito, mas sim como uma "ambiência" engendrada pelos recursos possibilitados pelo aparato cinematográfico. No filme de Carné, o fantástico produz no espectador inicialmente uma afecção da ordem do sensível (seus efeitos e imagens engendram "sensações" fantásticas), para em seguida conduzi-lo a uma dimensão reflexiva na qual se propõe questões de ordem moral, existencial e teológica. "Les Visiteurs du Soir" será, assim, caracterizado como obra singular, na qual identificamos exemplarmente o poder das imagens cinematográficas para encenar as ligações, raramente evidentes, entre o maravilhoso (caracterizado tradicionalmente como paixão "corporal") e o reflexivo.
Bibliografia

LUCAS, Gozalo de. Vida secreta de las sombras: imágenes del fantástico en el cine francés. Barcelona: Paidós, 2001.

MACHADO, Arlindo. Pré-Cinemas & Pós-Cinemas. São Paulo: Papirus, 1997.

MÜNSTERBERG, Hugo. The Film: a Psychological Study. New York: Dover, 2004 (1˚ ed: 1916).

WERNER, Marina. Phantasmagoria: Spirit Visions, Metaphors, and Media into the Twenty-First Century. Oxford: Oxford University Press, 2006.

GUNNING, Tom. “Phanton Images and Modern Manifestations: Spirit Photography, Magic Theater, Trick Films, and Photography’s Uncanny”, em PETRO, Patrice (ed.). Fugitive Images: from Photography to Video. Bloomington: Indiana University Press, 1995.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva, 1992.

VIEGNES, Michel. L'Envoûtante étrangeté. Le fantastique dans la poésie française (1820-1924). Paris: PUG, 2006.