/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
A animação enquanto linguagem aplicada à educação a distância
Autor
Paulo Roberto Montanaro
Resumo Expandido
A busca pela aproximação entre cursistas, professores e todos os envolvidos no processo de ensino-aprendizagem sempre foi um dos grandes desafios a serem abordados, sobretudo na educação a distância. A linguagem textual e visual, a acessibilidade e as ferramentas desenvolvidas buscam, em grande parte, tornar o aspecto da interação entre os diversos agentes de um curso cada vez mais fácil e atraente. Assim, em uma geração onde a hipermídia é cada vez mais presente nas mais diversas situações cotidianas, sejam elas profissionais ou pessoais, faz-se necessário explorar cada vez mais as possibilidades que o aparato audiovisual permite e é nesse contexto que a animação pode ser desenvolvida enquanto linguagem e técnica para produção de materiais didático-educativos.

Ora para aproximar os diversos sujeitos do ambiente virtual, ora para ilustrar conceitos de forma dinâmica, interessante e instigante, a animação é uma poderosa ferramenta quando aplicada à educação. A criação de personagens, movimentos dinâmicos e a interatividade são algumas das características que buscam cativar o estudante a se aproximar do curso como um todo e se aprofundar em conceitos e em relações humanas.



Uma das várias possibilidades permitidas pela animação é a criação de avatares virtuais, representações digitais dos agentes reais criados e utilizados para interações no espaço virtual, não necessariamente emulando o referencial real. O conceito é bastante difundido em redes sociais, fóruns de discussão e jogos de várias naturezas e, exatamente por isso, é amplamente conhecido. A criação de um personagem digital animado, personificando a figura do professor, tem como finalidade causar empatia e, de fato, aproximar o educador do educando, onde o fator lúdico quebra com o distanciamento de um ambiente onde os sujeitos não interagem da mesma forma que acontece no ensino presencial. O professor se faz presente e, mais do que isso, pode se utilizar de um recurso que foge à formalidade convencional para conquistar a confiança, a simpatia e a atenção de seus alunos.



Na Universidade Federal de São Carlos, a experiência da produção audiovisual direcionada à educação a distância tem se beneficiado ao investir exatamente no desenvolvimento de conteúdos animados para as mais diversas disciplinas de seus cursos de graduação. Não só avatares virtuais representando a figura docente, mas também enquanto ilustração de situações-problema e simulações que permitem a participação mais ativa dos alunos, por meio da interatividade. O diálogo do material escrito, vídeos e de conteúdos interativos tem resultado em disciplinas que exploram as possibilidades hipermidiáticas, próprias do ambiente virtual, mídia fundamental de difusão desses conteúdos.

Tal experiência tem resultado em um ótimo retorno de cursistas e professores. As aulas tornaram-se mais dinâmicas e interessantes, segundo relatos de vários envolvidos durante e após a finalização da disciplina. O aprendizado se mostra também beneficiado, já que muitos dos conceitos que eram complexos de se expressar por meio de texto escrito se tornaram mais palpáveis ao serem representados audiovisualmente e o próprio interesse do aluno para com aquele conteúdo também se mostrou muito maior do que em momentos onde animações e vídeos não foram utilizados.



Em suma, o desenvolvimento de uma linguagem audiovisual voltada à educação que fuja do didatismo característico de videoaulas expositivas tal como é visto em diversos cursos digitais pode ser de grande importância no processo educacional da modalidade à distância, o que não exclui possibilidades também em aulas e cursos presenciais. Em um momento onde os diversos meios buscam a convergência das mídias, a linguagem audiovisual se mostra bastante eficaz quando aplicada de forma criativa e instigante em um processo de ensino-aprendizagem.
Bibliografia

CARVALHO, S. R., MEIGUINS, B. S., GUEDES, L. A. A Importância de Avatares em Ambientes Virtuais Colaborativos de Ensino. Belém, UFPA.



CORDEIRO, L. Z. Elaboração de material videográfico: percursos possíveis In: CORRÊA, J. Educação a distância: orientações metodológicas, Porto Alegre; Artmed, 2007



DIZERO, W., VICENTIN, V. J., KUBO. M.M., ANSELMO, M., IPÓLITO, R. J., SOARES, C.L.,

KIRNER. C. Professor Virtual: A Realidade Virtual como Ferramenta de

Apoio na Educação à Distância. Belo Horizonte: XVII SBC / IV WIE, 1998



LUCENA JUNIOR, A. Arte da animação: técnica e estética através da história. São Paulo: SENAC São Paulo, 2002



PFROMM NETTO, S. Telas que ensinam: mídia e aprendizagem do cinema ao computador. 2 ed. Campinas, SP: Alínea, 2001.

NAZARENO TADDEI, S. J. Educar com a imagem - volume II: a educação pelos meios de comunicação e com os audiovisuais. São Paulo, Edições Loyola, 1981.