/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Misturas e apropriações em “Os Trapalhões e o mágico de Oroz” (1984)
Autor
Rogério Ferraraz
Coautor
Marcos Aleksander Brandão
Coautor
Celia Torres
Resumo Expandido
Este trabalho, apresentado em conjunto com Marcos Aleksander Brandão e Célia Cristina Torres, propõe a análise do filme “Os Trapalhões e o mágico de Oroz” (1984), dirigido por Dedé Santana (1936-) e Victor Lustosa (1949-), com o objetivo de verificar como o grupo Os Trapalhões aproveita elementos dos filmes “O mágico de Oz” (The Wizard of Oz, 1939), de Victor Fleming (1889-1949), com Judy Garland (1922-1969), e “O mágico inesquecível” (The Wiz, 1978), de Sidney Lumet (1924-), com Diana Ross (1944-) e Michael Jackson (1958-2009), entre outras obras, para retratar os problemas sociais e econômicos do sertão nordestino, através de uma narrativa que mistura os gêneros drama, comédia e musical, combinando-os com aspectos da cultura massiva e da cultura popular brasileira.

O quarteto formado por Renato Aragão (1936- ), Manfried Sant’Anna, Antônio Carlos Bernardes Gomes (1941-1994) e Mauro Faccio Gonçalves (1934-1990), mais conhecidos respectivamente como Didi, Dedé, Mussum e Zacarias, protagonizou, entre 1978 e 1990, 20 longas-metragens de ficção (sem contar um longa documentário e um longa de animação) que levaram, juntos, mais de 74 milhões de espectadores aos cinemas.

Alguns autores, como Fatimarlei Lunardelli, em “Ô psit! O cinema popular dos Trapalhões” (1996), José Mário Ortiz Ramos, em “Cinema, televisão e publicidade” (2004), e Stephanie Dennison e Lisa Shaw, em “Popular Cinema in Brazil” (2004), já se debruçaram sobre o fenômeno midiático e massivo d’Os Trapalhões, com especial atenção ao cinema feito pela trupe. As contribuições desses autores são relevantes, principalmente no que tangem ao mapeamento crítico e à divisão em blocos temáticos dos filmes do grupo.

Nosso trabalho, porém, encontra-se inserido num conjunto recente de pesquisas no campo do cinema brasileiro que visa estudar filmes que fogem aos modelos “artísticos” e autorais e que operam na chave do chamado lazer “trivial”. Assim, um dos textos fundamentais que dão embasamento às nossas análises sobre o cinema de entretenimento d’Os Trapalhões é o de Bernadette Lyra e Gelson Santana no livro “Cinema de bordas” (2006), organizado pelos autores. Como já apontado anteriormente em trabalhos apresentados nos congressos da SOCINE de 2008 e 2009, respectivamente sobre os filmes “O cangaceiro trapalhão” (1983), de Daniel Filho (1937-), e “Os saltimbancos trapalhões” (1981), de J. B. Tanko (1906-1993), algumas das condições levantadas por Lyra e Santana para caracterizar um filme de bordas podem ser encontradas nas obras do grupo, tais como: formas que remontam aos folhetins, visando o divertimento do público, através de dois eixos narrativos principais, ação e sentimento; conformação dos gêneros cinematográficos, através de processos de repetição e de atualização; alto grau de previsibilidade na codificação de estilos, formas e conteúdos; e o aproveitamento de fragmentos de imagens, sons e temas vindos de outros meios de expressão populares.

Propõe-se, portanto, analisar o filme “Os Trapalhões e o mágico de Oroz” a partir dessas chaves teóricas e conceituais, focalizando, particularmente, os seguintes aspectos: a relação da obra com o romance “O mágico de Oz” (The Wonderful Wizard of Oz, 1900/1901), de Lyman Frank Baum (1856-1919), cuja fonte não é sequer creditada no filme; a apropriação tanto de elementos presentes nos filmes “O mágico de Oz” e “O mágico inesquecível”, adaptados do romance de Baum, quanto de produtos audiovisuais distintos, como, entre outros, o filme “2001 – Uma odisséia no espaço” (2001: A Space Odyssey, 1968), de Stanley Kubrick (1928-1999), e o videoclipe da canção “Thriller” (1983), de Michael Jackson, dirigido por John Landis (1950-); a mistura de gêneros cinematográficos, com especial atenção aos números musicais e às cenas cômicas; a temática social ligada aos problemas da seca e da fome enfrentados pelo sertão nordestino e os traços da cultura popular brasileira, ambos filtrados pelas lentes da cultura massiva e midiática.
Bibliografia

ALTMAN, Rick. Film/Genre. London: BFI, 1999.

BAUM, L. Frank. O mágico de Oz. Porto Alegre: L&PM, 2001.

BRAGANÇA, Felipe. “Os Trapalhões e o Mágico de Oroz, de Dedé Santana e Vitor Lustosa”. In: Contracampo (http://www.contracampo.com.br). Acesso em 29/03/10.

DENNISON, Stephanie; SHAW, Lisa. Popular Cinema in Brazil. UK: Manchester University Press, 2004.

JOLY, Luís; FRANCO, Paulo. Os adoráveis Trapalhões. SP: Matrix, 2007.

LABAKI, Amir (org.). O cinema dos anos 80. SP: Brasiliense, 1991.

LUNARDELLI, Fatimarlei. Ô psit! O cinema popular dos Trapalhões. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1996.

LYRA, Bernadette; SANTANA, Gelson (orgs.). Cinema de bordas. SP: A Lápis, 2006.

RAMOS, Fernão (org.). História do cinema brasileiro. SP: Art, 1990.

RAMOS, Fernão; MIRANDA, Luiz Felipe (orgs.). Enciclopédia do cinema brasileiro. SP: SENAC, 2000.

RAMOS, José Mário Ortiz. Cinema, televisão e publicidade. SP: Annablume, 2004.

SCHATZ, Thomas. Hollywood Genres. USA: McGraw-Hill, 1981.