/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Narrativa transmídia: a arte de construir mundos
Autor
João Carlos Massarolo
Resumo Expandido
Cada vez mais as pessoas assistem à televisão na internet e elas fazem isso, sobretudo, pelo desejo de vivenciarem, em tempo real e por meio de múltiplas telas, o mundo de histórias evocadas pela narrativa. A narrativa transmídia é a arte contemporânea de construção de mundos destinados à interação e a imersão do grande público neste universo a partir de filmes e séries televisivas de sua preferência, fazendo com que os telespectadores/usuários/jogadores se identificam com o mundo criado e migrem de uma plataforma para outra.

A narrativa transmídia é um fenômeno relativamente recente e sua emergência resulta dos processos de convergência, no qual os conglomerados de mídias tradicionais (Cinema, Televisão e a indústria fonográfica, entre outros) encontram-se, segundo Henry Jenkins, em rota de colisão com as mídias digitais interativas (Internet, Videogames e as Mídias móveis). O que os grandes conglomerados de mídias estão descobrindo é que na era da convergência cultural, tecnológica e econômica, o grande público cansou de consumir ‘mais’ do mesmo e deseja ardorosamente se relacionar com produtos que sejam na verdade um ‘mundo’ de possibilidades – disponibilizando diversas entradas para ser navegado a partir de diferentes mídias e que permita um profundo envolvimento emocional dos usuários. Dentro do mundo de histórias criado pela narrativa transmídia, se um grande conglomerado de mídia recompensar as demandas de uma mídia em especifico (como por exemplo, a televisão), o telespectador vai se sentir recompensado e encorajado a fazer novos investimentos, seguindo os desdobramentos da história em diferentes mídias com o objetivo de aumentar o seu repertório de conhecimentos. Os fãs que anseiam por novidades não medem esforços para encontrar o que procuram quando se trata de buscar informações sobre as histórias e personagens favoritos. Na verdade, eles estão sempre atrás de novas informações e vão usar qualquer meio necessário para localizá-las. O segredo para expandir o universo pessoal dos fãs e reforçar a sua noção de pertencimento em relação ao mundo criado consiste em oferecer em cada mídia uma experiência ‘única’.

O que a narrativa transmídia proporciona através de suas extensões é um mundo de histórias criado na maioria das vezes, à imagem e semelhança dos usuários. No entanto, em si mesmo, um produto transmídia nada mais é do que uma ferramenta viral de marketing e propaganda. As histórias que são evocadas pela narrativa fornecem os elementos que transformam o produto transmídia numa arte de construir mundos, desde que o conceito de ‘narrativa’ seja entendido como:

Um guia detalhado para um modo específico de criação de mundo.

O mapeamento de palavras (ou outros tipos de elementos semióticos)

em mundos é um requisito fundamental - talvez o mais fundamental –

para o processo de construção do sentido narrativo.

(HERMAN, 2009, p. 105)



A relevância da presente proposta de estudos consiste em buscar contribuições referentes à narrativa transmídia como uma arte de construir mundos, tendo em vista que a abordagem mais utilizada pelos produtores das franquias cinematográficas contemporâneas se baseia na noção de storyworld ou storyverse: ‘o mundo criado a partir de uma história canônica’. Basicamente, a lógica dessa abordagem transforma a narrativa transmídia num novo paradigma para o entretenimento, permitindo ao público interagir com um mundo quebrado em várias partes; filmes/mundo ou mundo/enigmas cuja resolução depende das capacidades investigativas dos usuários das redes sociais, oferecendo como recompensa novos insights e novas experiências.



Bibliografia

ANDERSON, Chris. A Cauda Longa. Rio de Janeiro, Elsevier, 2006.

BORDWELL, David. Narration in the Fiction Film. Madison: The University of Wisconsin Press, 1985.

ECO, Umberto. Viagem através da irrealidade cotidiana. Rio de Janeiro, Editora Nova fronteira, 1987.

GOMES, Jeff. Print is Dead: Books in Our Digital Age. London, Library of Congress, 2008.

HARRIGAN, PAT & WARDRIP-FRUIN, NOAH. Third Person: Authoring and Exploring Vast Narratives. Cambridge, MIT Press, 2009.

HERMAN, David. Basic Elements of Narrative. United Kingdom , Library of Congress 2009. (p. 105)

HERBRECHTER, Stefan. The Matrix in Theory. New York: Amsterdam, 2006.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo, Editora Aleph, 2008.

MASSAROLO, João & ALVARENGA, Marcus. A Indústria Audiovisual e os Novos Arranjos da Economia Digital. Intercom/ 2009.

MILLER, Carolyn H. Digital Storytelling. Burlington, Elsevier, 2004.

MURRAY, Janet H. Hamlet no Holodeck. SP: Itaú Cultural. 2003.