/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
A imagem como suporte para a divulgação e o resgate do som
Autor
Fernanda Carolina Armando Duarte
Resumo Expandido
Esta problemática surgiu a partir de algumas entrevistas realizadas para minha dissertação de mestrado O Videoclipe Brasileiro pelo Viés do Manguebeat: A Contribuição do Diretor, ainda em andamento, em que diversos entrevistados afirmaram: “Se você não viu um show da banda Chico Science e Nação Zumbi, você já perdeu 50%”, essa afirmação refere-se ao público que, infelizmente, não pôde e nem poderá vivenciar essa experiência, devido à morte de Chico Science em um acidente automobilístico em fevereiro de 1997, e ainda pelo grande poder performático e estético que esta banda possuiu.

Este grupo foi um dos percussores de um movimento cultural denominado ‘Manguebeat’, originado entre as cidades do Recife e de Olinda na década de 1990. As suas bases revolucionariam a música jovem brasileira, através de propostas que englobariam o diálogo com as tradições e o folclore dessas duas cidades, modernizando-os através da adição do rock e algumas doses de funk, hip hop e sons eletrônicos, porém sem descaracterizá-los e, sim, incutindo a estes novas roupagens, o que geraria uma evolução. A diversidade cultural é o conceito-chave instituído pelo Manguebeat e seus idealizadores que, até em sua nomenclatura, procuraram explicitar isso (Mangue = ecossistema rico e diversificado, alusão aos manguezais existentes em boa parte do território de Recife; + Beat que é batida em inglês); alternativamente, o movimento também é chamado de Manguebit (bit = a menor parte de uma informação digital).

Curioso observar ainda, que por possuir uma sonoridade tão diferente e original para a época (com a mistura de ritmos regionais representados especialmente pelo maracatu e ritmos mundializados) a gravação e divulgação das formas exclusivamente sonoras (o rádio e o CD), por diversos motivos, não conseguiram reproduzir toda a “energia” e sonoridade originais da banda, o que só era possível vivenciar por meio de seus shows ao vivo.

Assim, acredito que a forma mais próxima de tentar absorver parte desta experiência atualmente, seja através dos diversos registros imagéticos que foram realizados na época. Entretanto, qual seria a forma de registro que consegue apreender e reproduzir de modo mais aproximado o que seria a concepção estética e performática que serviu como apoio para o projeto sonoro da banda naquela época? Sobretudo, ainda, qual dessas formas impetra uma reprodução mais apropriada ao o que foi a sonoridade deste grupo?

Para isso, analisaremos alguns desses registros musicais através da imagem que fizeram parte do repertório da banda tais como videoclipes, fragmentos de shows e apresentações musicais em programas televisivos, alguns registros sonoros, além do relato de diversos amigos e pessoas próximas à banda que compareceram aos seus shows ao vivo.

Bibliografia

CHION, Michel. Audio-vision - Sound on Screen. New York: Columbia Press, 1994.

COHEN, Renato. Performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2004.

DONDIS, A. Sintaxe da Linguagem Visual. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

GORBMAN, Claudia. Unheard melodies – narrative film music. Blommington: Indiana University Press, 1987.

HERSCHMANN, Micael. O Funk e o Hip-Hop invadem a cena. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000.

MACHADO, Arlindo. A Televisão Levada à Sério. São Paulo: Editora Senac, 2000.

________________. A Arte do Vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1988.

MANZANO, Luiz Adelmo F. Som-imagem no Cinema. São Paulo: Perspectiva, 2003.

MARKMAN, Rejane. Música e Simbolização – Manguebeat: contracultura em versão cabocla. São Paulo: Annablume, 2007.

McLUHAN, Marshall – Understanding Media – the Extensions of Man. Chicago: Signet Books, 1964.

VARGAS, Herom. Hibridismos musicais em Chico Science e Nação Zumbi. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2007.