/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
A construção do personagem Sandro no Ônibus 174
Autor
JOÃO NUNES DA SILVA
Resumo Expandido
Em Ônibus 174 (Padilha, 2002) temos uma história marcada por tensões e contradições que, por sua vez, denunciam a realidade conturbada dos grandes centros urbanos, cujo contraste social é evidente a partir da organização do espaço geográfico, com favelas, cortiços, becos, palafitas, ao lado de casas de luxo, prédios comerciais e habitacionais, cobertura, clubes sociais. Enquanto isso, uma pequena parcela da sociedade se beneficia da riqueza produzida pelo capitalismo, à revelia da maioria que sobrevive a todo custo, muitas vezes morando nas ruas, mendigando, assaltando ou vendendo o próprio corpo para conseguir o alimento necessário para viver. Esse cenário traçado é uma realidade mostrada no documentário Ônibus 174, que narra história do seqüestro de um ônibus na Zona Sul do Rio de Janeiro, em 12 de junho de 2000. O protagonista desse episódio foi um jovem de 21 anos, Sandro do Nascimento, sobrevivente da Chacina da Candelária,em 23 de julho de 1993, onde foram mortos 8 meninos de rua .É sobre esse personagem que o diretor José Padilha resolve trabalhar, buscando reconstruir a sua história a partir de depoimentos de policiais, de vítimas do seqüestro, cientista social, moradores de rua, parentes e amigos de infância do Sandro. Parte do filme utilizou cenas gravadas pelas emissoras de TV que cobriram todo o episódio na época. O documentário trabalha com duas narrativas: a história do seqüestro e a história de Sandro do Nascimento. Pretende-se saber como é construído o personagem Sandro do Nascimento no documentário Ônibus 174? (Padilha, 2002). Essa é a pergunta central que permeia o presente artigo. A ideia é verificar de que maneira o documentário reúne material, estratégias e técnicas a partir do seqüestro de modo que apresenta várias possibilidades para compreender principalmente a história do dos indivíduos tidos como invisíveis, mas que num certo momento se tornam alvos de noticias nos variados meios de comunicação de massa, especialmente no cinema. Assim, discute-se a construção do personagem Sandro, sequestrador e vítima ao mesmo tempo.

Essa pesquisa se justifica pela necessidade de estudos sobre a construção de personagens, especialmente no que diz respeito aos problemas sociais como a violência urbana. Os filmes documentários que tratam de temas polêmicos e presentes no cotidiano das grandes cidades, geralmente tendem a uma leitura do todo ou do problema central, sem considerar o indivíduo-personagem como pessoa que possui toda uma historia de, perspectivas e contradições. Para atender o objetivo proposto consideramos os conceitos de poética em Aristóteles, construção de personagens, construção da realidade, representação, representação social e representificação, ação social e Habitus. Para a fundamentação teórica, nos apoiamos em Nichols ( 2007), Gomes (2004), Menezes(2004) Weber( 1989) e Bourdieu. A pesquisa para a identificação do caminho utilizado na construção da história do personagem baseia-se em leituras e na análise do documentários Ônibus 174, tendo como parâmetro a metodologia de análise filmica proposta por Gomes(2004) a partir da poética de Aristóteles, Aumont (1995), além de estudos já realizados em torno do caso do Ônibus 174, os quais resultarm em artigos e dissertações, dentre eles, a ideia de Intertextualidade entre Cinema e Televisão, de Sandra Nodari (2006) e a relação entre documentário e telejornal (ROCHA, 2004), entre outros. A partir do estudo realizado até o momento, as questões que surgem são:os personagens extraídos de realidades da violência e que tem sua história contada nos filmes documentários são construídos de que forma? Que tipo de personagens são e que imagem nos suscitam? Como podemos compreendê-los e quais significados nos proporcionam?

Bibliografia

AUMONT. Jacques et al. A estética do filme. 6 ed. Campinas. SP: Papirus, 1995.

GOMES, W. S.. Estratégias de Produção de Encanto. O Alcance Contemporâneo da Poética de Aristóteles.inThe Mwga's Book, Laboratório de Análise Fílmica- PPG de Comunicação e Cultura Contemporâneas, UFBa, Salvador 2004

MENEZES, Paulo. Representificação As relações (im)possíveis entre cinema documental e conhecimento, in RBCS Vol. 18 nº. 51 fevereiro/2003

NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário, Campinas. SP: Papirus, 2005

NODARI, Sandra.Ônibus 174: a Intertextualidade entre Cinema e Televisão, in: http://www.utp.br/proppe/edcient/BibliotecaVirtual/MCL/Sandra%20Nodari/SNodari.pdf.

ROCHA ,Leonardo Coelho em: O caso Ônibus 174: Entre o documentário e o telejornal, 2004: 7, in: http://www.bocc.ubi.pt/_listas/tematica.php?codtema=42,acesso em 02-07-2007

WEBER, Max.Conceitos básicos de Sociologia, São Paulo: Editora Moraes, 1989.