/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
O percurso metodológico da pesquisa "Hoje tem cinema: a recepção de mostras itinerantes organizadas pelo Cineclube Lanterninha Aurélio"
Autor
Dafne Reis Pedroso da Silva
Resumo Expandido
A proposta deste trabalho é explicitar o percurso metodológico da pesquisa intitulada “Hoje tem cinema: a recepção de mostras itinerantes organizadas pelo Cineclube Lanterninha Aurélio” . A noção de metodologia com a qual opero abarca todo o processo de tomada de decisões para o desenho de uma investigação e não só a definição de técnicas de coleta de dados ou de amostras a serem estudadas (BONIN, 2006). Nesse sentido, resgato e revelo como se deu o desenho desta pesquisa. Este texto surge também da necessidade de reflexão e discussão a respeito da construção de pesquisas sobre recepção de cinema, um cenário ainda em desenvolvimento no Brasil.

O objetivo geral da pesquisa foi investigar o processo de recepção das mostras itinerantes de cinema organizadas pelo cineclube Lanterninha Aurélio , buscando compreender os sentidos, usos e apropriações que os receptores realizam das exibições e as mediações que as configuram. Durante a etapa de pesquisa da pesquisa, a idéia foi buscar em bancos de teses, de artigos científicos e em anais de congressos, pesquisas e textos que abordassem a recepção de cinema ou temas relacionados com a minha investigação.

A pesquisa de contextualização foi desenvolvida com o propósito de situar o fenômeno estudado, considerando o contexto como configurador do objeto. O processo de midiatização se estabeleceu como o grande cenário. A partir de observações e de leituras, compreendi que o Cineclube Lanterninha Aurélio Itinerante une duas práticas que se desenvolvem paralelamente a um sistema hegemônico de distribuição e de exibição de cinema, sendo elas o cineclubismo e as projeções itinerantes de cinema. Portanto, a contextualização traçada buscou abarcar essas duas atividades e também um breve panorama histórico da exibição de cinema no Brasil.

A pesquisa teórica foi sendo desenvolvida como proposta de construção de um mapa de autores e de conceitos que contribuíssem para o desenho de minha problemática. Para construir a perspectiva teórica de recepção, trabalhei com os conceitos de apropriação (CERTEAU, 1994), de mediações (MARTÍN-BARBERO, 2003), de consumo (GARCIA CANCLINI, 2005), poder com Lopes et. al. (2002) e Hall (2003) e de recepção de cinema (MACHADO, 2007; MASCARELLO, 2006). Pensando em um uma proposta própria de mediações para a especificidade desta pesquisa, procurei desenvolver os conceitos de cultura popular, competências midiáticas, contexto situacional de recepção e cineclube.

Em relação à etapa de pesquisa metodológica me alinho à Bonin (2006, p.37-38), a qual pensa que, “a pesquisa metodológica abarca também um debruçar-se reflexivo sobre construções metodológicas concretas empreendidas em pesquisas relacionadas em algum nível com o projeto que está sendo construído”. Nesse sentido esta etapa foi elaborada a partir da leitura e reflexão sobre outras pesquisas e de demais textos para pensar também em procedimentos metodológicos de coleta de dados.

A etapa de pesquisa exploratória foi desenvolvida como uma proposta de aproximação das mostras, cineclubistas, agentes mediadores, receptores, filmes exibidos, outras exibições itinerantes de cinema e também como uma possibilidade de experimentação de técnicas de coletas de dados e de reformulação do problema de pesquisa. A pesquisa sistemática foi feita considerando-se as pistas obtidas na etapa de pesquisa exploratória. A construção metodológica desta segunda etapa incluiu: a definição da amostra, os procedimentos de coletas de dados, as dimensões de observação e o processo de coleta de dados. Considerando a complexidade do objeto, o protocolo metodológico desta pesquisa foi inspirado em uma estratégia multimetodológica (LOPES et. al., 2002) e os procedimentos de coletas de dados da etapa sistemática foram: questionários, entrevistas estruturadas individuais de aplicação flexível e observação participante com foco comunicacional e registro fotográfico.





Bibliografia

BONIN, Jiani Adriana. Nos bastidores da pesquisa: a instância metodológica experienciada nos fazeres e nas processualidade de construção de um projeto. In: MALDONADO, Efendy et. Al. Metodologias da pesquisa em comunicação: olhares, trilhas e processos. Porto Alegre: Sulina, 2006.



CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.



GARCÍA CANCLINI, Nestor. Consumidores e cidadãos. Rio de Janeiro: UFRJ, 2005.



HALL, Stuart. Da Diáspora. Belo Horizonte/Brasília: UFMG, 2003.



LOPES, Maria Immacolata Vassallo et. Al. Vivendo com a telenovela: mediações, recepção, teleficcionalidade. São Paulo: Summus, 2002.



MACHADO, Arlindo. O sujeito na tela: modos de enunciação no cinema e no ciberespaço. São Paulo: Paulus, 2007.



MASCARELLO, Fernando Soares. Os estudos culturais e a recepção cinematográfica: um mapeamento crítico. In: JACKS, Nilda; SOUZA, Maria Carmem Jacob de (Orgs.). Mídia e recepção: televisão, cinema e publicidade. Salvador: Edufba, 2006.