/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Outras montagens, novas temporalidades
Autor
Patricia Moran Fernandes
Resumo Expandido
A nova tecnologia digital, mais precisamente a edição numérica e a possibilidade de manipulação em tempo real de imagens e sons, bem como a opção por distintos scripts para se trabalhar são bases da montagem em performances. Estamos diante de uma alternativa para se dar forma ao conjunto de imagens e sua materialidade em um acontecimento ao vivo. Ao se constituir como espetáculo, ao se dar forma a um trabalho com inicio, desenvolvimento e fim, se redesenham procedimentos de contato com o público cujas implicações deslocam o que vem a ser montagem e mesmo a reinvenção da mesma.

Uma nova cultura de realização esta instaurada e abre potencialmente caminhos para a experimentação de linguagem tanto em trabalhos narrativos, quanto abstratos e gráficos. Para o cineasta russo Serguei Eisenstein a montagem é um processo anterior ao cinema, sua abrangência é indicativa das articulações conceituais inscritas neste processo cujo nome ajuda a pensar experiências nas artes plásticas, teatro e literatura. A perspectiva de Eisenstein é a produção de sentido por proximidade. O choque ainda se alia ao sentido anterior à imagem, construído por proximidade.



As experiências que nos propomos a pensar são jogos de formas em movimento, formas sugerindo figurações aliadas ao acaso. O acaso - auxiliar recorrente nos processos de criação, vem se incorporar à estrutura de trabalhos audiovisuais como o vídeo ao vivo, sejam eles espetáculos de VJs ou performances com estrutura de desenvolvimento mais programada – funciona como lugar de atenção. Hoje o acaso tem no computador um ambiente propício para apontar novas possibilidades expressivas audiovisuais e experiências sensoriais para o público. Acaso aqui entendido como um momento em que desponta uma singularidade, para uma articulação não programada de um acontecimento. O Acaso para Peirce é a insistência para a singularidade, para o único a absoluta variedade de fenômenos e a diversidade de eventos. Próximo à epifania pela experiência produzida.

Nesta apresentação vamos cotejar algumas acepções clássicas da montagem tendo como objeto de análise experiências de montagem em tempo real de Luiz Duva, Fernando Velásquez e Henrique Roscoe. Na leitura de seus trabalhos a constituição do tempo, a temporalização do movimento geram qualidades distintivas, produzem acontecimentos do instante. A temporalização da imagem reinventa a imagem em Duva. Henrique Roscoe produz analogias visuais, paisagens, pelo controle do tempo, já em Velásquez é o processo de constituição e desaparecimento da imagem os lugares a se instaurar a poética. Ainda imagem? Ainda montagem?



Tomaremos a noção de intervalo de Vertov e de fluxo da televisão para problematizar estas alternativas de invenção audiovisual que se utilizam do espaço como distância entre dois pontos, do espaço como paisagem e do tempo como música e intensidade para pensar a prioridade na montagem do choque, do inusitado, da descoberta na própria imagem e não na narrativa, como um atributo das apresentações ao vivo.
Bibliografia

Aumont, Jacques. 2004. As teorias dos cineastas. Campinas, SP: Papirus.

Bazin, André. 1991. O cinema. SP: brasiliense.

Bellour, Raymond. 1997. Entre-imagens. Foto. Cinema. Vídeo. SP: Papirus.

Deleuze, Gilles. 1985. A Imagem-movimento. SP: Brasiliense.

Doane, Mary Ann. 2002. The emergence of cinematic time – Modernity, contingency, the archive. Massachusetts, London: Harvard University Press.

Lafia, Marc. 2002. In Search of a Poetic of the Spatializatio of the Moving Image. lista rhizome julho/setembro.

Monovich, Lev. 2002 Spatial Montage, Spatial Imaging, and the Archelogy of

Windows. A Responce to Marc Lafia. ww.rhizome.org.

Michelson, Annette (org). 1984. Kino-eye. The writings of Dziga Vertov. Berkley, Los

Angeles, London: University of Califórnia Press.

Stewart, Garrett. 2007. Framed Time: Toward a Postfilmic Cinema (cinema and

modernity series). Illinois: University of Chicaco Press.

Yongblood, Gene.1970. Expanded Cinema. NY: E.P. Dutton & CO.,