/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
“Jogo de Cena” e “Moscou”: encenar, mostrar, resistir
Autor
Ursula de Almeida Rösele
Resumo Expandido
O presente trabalho pretende fornecer meios de discussão e reflexão de dois filmes contemporâneos do cineasta brasileiro Eduardo Coutinho, “Jogo de Cena” (2007) e “Moscou” (2009), que se mostram deveras instigantes. A ideia é propor uma reflexão em torno das duas obras que possa enriquecer os estudos do seminário “Cinema, estética e política: a resistência e os atos de criação”, uma vez que tais filmes, juntamente com uma certa produção documental contemporânea, apresentam alguns recursos expressivos em sua composição que, através de diversas estratégias estético-narrativas que promovem tensões e questionamentos da linguagem, subvertem alguns preceitos clássicos do documentário. No caso das duas obras, pode-se perceber que Eduardo Coutinho faz um exercício no qual coloca questões ao gênero e impõe deslocamentos ao trazer para o terreno documental, articulações próprias do cinema de ficção, além de lançar mão de um diálogo direto com certos procedimentos do teatro, que trazem novas formas de articulação e reflexão da linguagem documental para o cinema.



Voltar-se ao cinema documentário é também uma maneira de olhar para a sociedade, como forma de pensarmos os sujeitos e a maneira como se estrutura sua experiência social. É notória a propagação de imagens na sociedade contemporânea, que cada vez mais nos colocam não somente na posição de espectadores como de produtores mesmos dessas imagens de si e do mundo. Ao observar esses movimentos que Eduardo Coutinho fez não somente em relação à toda sua obra anterior, como nesses dois filmes em questão, podemos observar que, ao trazer para o documentário uma “relação” com o real de uma forma mais radical, pessoal, ousada, não tendo como parâmetro o espetáculo, o entretenimento fácil e um envolvimento das massas pelas vias oficiais desse dito entretenimento, o diretor parece colocar-se diante deste “real” com uma postura não somente de questionamento, mas de enfrentamento dos pressupostos que empobrecem este dito gênero, o que certamente demonstra resistência, e por quê não dizer, postura política frente à arte.

Bibliografia

COMOLLI, Jean-Louis. Ver e poder. A inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

EDUARDO, Cléber. Abrindo o Jogo. Disponível em http://www.revistacinetica.com.br/moscoucleber.htm. Acesso em: 15 Nov. 2009.

FELDMAN, Ilana. Do Inacabamento ao Filme que não Acabou. Disponível em http://www.revistacinetica.com.br/moscouilana.htm Acesso em: 15 Nov. 2009.

FRANÇA, Andrea. O Documentário entre a Cena do Tribunal e a Cena do Teatro. In: COMPÓS, 2009, Belo Horizonte.

FURTADO, Beatriz. O Documentário e as Artes Visuais. In: COMPÓS, 2009, Belo Horizonte.

LINS, Consuelo. O Documentário de Eduardo Coutinho: televisão, cinema e vídeo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

LINS, Consuelo e MESQUITA, Cláudia. Filmar o real: sobre o documentário brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

RAMOS, Fernão Pessoa. Mas afinal...o que é mesmo o documentário? São Paulo: Editora Senac, 2008.