/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
A caverna como câmara escura: Manoel de Oliveira e Platão
Autor
Ana Soares
Resumo Expandido
Na construção de uma teatralidade passível de ser exibida através dos filmes, Manoel de Oliveira recorre em várias das suas obras a elementos ancorados num real externo ao cinema como modo de esclarecer não essa exterioridade – porém, tais aspectos resultam de uma sua intervenção criativa, inventiva, sobre a realidade, mesmo quando ela é, já de si, teatral (como em Mon Cas / O Meu Caso).

Este processo pode ser entendido como uma provocação à noção platónica, segundo a qual que para conhecer o real é necessário escapar aos desvios do ilusório e das aparências. De acordo com a ideia artística de Manoel de Oliveira, alguns dos seus filmes revelam que o esclarecimento da realidade está na construção de camadas sobre camadas de representação e de ilusões. A dicotomia operativa nestes filmes, mais do que essência e aparência, estabelece-se entre acto e palavra – sem que uma predomine sobre a outra. A palavra inventa, constitui, dá sentido e existência ao que é acção. Mas, por seu lado, a acção infunde a palavra, confere-lhe densidade e sentido.

Pretendo analisar três obras em particular, por forma a compreender este modo de acesso ao real através da ilusão: Acto de Primavera (1963), Mon Cas / O Meu Caso (1986) e Singularidades de Uma Rapariga Loira (2009). No primeiro filme, a coexistência de um registo intencionalmente documental com uma narrativa marcadamente ficcional ao mesmo tempo sublinha e infirma a importância do real sobre a aparência que seria a ficção. As personagens dos turistas que observam, de fora, a encenação popular da paixão de Cristo numa aldeia do Norte de Portugal, transformam o Auto na mais essencial das representações, cuja natureza se define pela incorporação dos destinatários; do mesmo passo, as imagens dedicadas ao Auto não perdem de vista o traço de invenção que o gerou. Em Mon Cas / O Meu Caso, que parte de dois textos escritos para teatro, a que acrescenta excertos bíblicos do “Livro de Job”, é o trabalho de re-escrita deste conjunto de bases textuais que acentua a sua qualidade ficcional e de proximidade com questões essenciais da Humanidade. Por fim, a versão que Oliveira recentemente dirigiu de um dos contos de início de carreira de Eça de Queiroz revela, de modo criativamente estratégico, a origem poética do texto de base e esta, por sua vez, determina a essencial alteração na passagem de um medium para o outro, de um tempo histórico para outro, de uma leitura verbal para uma leitura transversal a códigos e artes diversas.

Em todas as obras referidas, ressalta a consciência artística do estar a fazer qualquer coisa que, sendo arte – e, por isso, invenção sobre ilusões –, ganha existência equiparável à das formas ideais de Platão.

Bibliografia

AA.VV., 2008. Manoel de Oliveira Cem Anos. Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, Lisboa.

COSTA, José Manuel, 2001. “Questões do Documentário em Portugal”. in Uma Clareira no Caminho das Estrelas: Olhar Sobre Uma Década de Documentário em Portugal. XII Encontros Internacionais de Cinema Documental, Centro Cultural Malaposta – Amascultura, pp. 16-23.

JOHNSON, Randal, 2007. Manoel de Oliveira. University of Illinois Press, Urbana and Chicago.

LAVIN, Mathias, 2008. La parole et le lieu: Le cinèma selon Manoel de Oliveira. Presses Universitaires de Rennes, Rennes.

OLIVEIRA, Manoel de, 1988. Alguns projectos não realizados e outros textos. Cinemateca Portuguesa, s.l..

PLATÃO. A República. Tradução do grego clássico, introdução e notas de Maria Helena da Rocha Pereira, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2001.

QUEIROZ, Eça de. Contos. Fixação do texto e notas de Helena Cidade Moura, Lisboa, Livros do Brasil, s.d.