/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
O mundo como vontade de representação no Piauí
Autor
Antonio Carlos Tunico Amancio da Silva
Resumo Expandido
O mundo como vontade de representação no Piauí

Teoria do conhecimento: afinal, como se chega ao cinema brasileiro contemporâneo, fora das instâncias legitimadoras do eixo sudeste? A anti-filosofia da natureza: filmes como objetos da cultura, para o bem e para o mal. A metafísica do belo: a inconversibilidade ideológica dos campos instáveis da beleza e dos estatutos narrativos. A ética: como situar melhor alguns critérios acadêmicos de pensar o cinema brasileiro. A voz oculta, sem delegação: por Uma carta de Teresina..

Três filmes piauienses, feitos à margem dos editais e não consagrados pela política dos festivais serão nosso objeto de reflexão: sua existência no mundo real, sua estética, suas estratégias narrativas e comerciais, sua vontade de reflexão sobre/no mundo. Ai que vida, Entre o amor e a razão e Flor de abril propõem questões inquietantes sobre uma certa posição periférica e sobre o estatuto da exclusão no horizonte do cinema brasileiro.





Bibliografia

Bibliografia:

LIMA Dellani, IKEDA Marcelo. Cinema de Garagem: um inventário afetivo sobre o jovem cinema brasileiro do século XXI.. Subarbanaco, 2001

LOPES Denilson (org) Cinema doa anos 90. Chapecó, Argos, 2005

CAETANO, Daniel. Cinema Brasileiro 1995-2006: Ensaios sobre uma década. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2005

AGIB, Lúcia. O cinema da retomada. São Paulo, Editora 34, 2002

HALL, Stuart. Da diáspora – identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: EdUFMG, 2003.

O Globo:Menos silêncio, por favor . Carlos Alberto Mattos – 19 de março de 2011

Meu último texto de cinema – Felipe Bragança – 12 de março de 2011

A periferia por detrás das câmeras – Renato Lemos – 12 de março de 2011