/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Cinema e educação - uma experiência de reinvenção
Autor
Maria Cristina Miranda da Silva
Resumo Expandido
O estudo desenvolve nexos entre educação, cinema, cultura e currículo, apresentando algumas pontuações sobre as formas de apropriação e recontextualização do cinema na educação. Analisa o cinema e suas mediações, o seu potencial educativo contido desde os seus primórdios e a experiência do cinema como arte na formação do espectador contemporâneo. Objetiva contribuir para a reflexão do cinema no currículo escolar como uma experiência efetivamente artística, congruente com a formação estética audiovisual inscrita no campo da educação transformadora.

A reflexão sobre cinema e educação passa por várias dimensões, desde a mais simples – sua utilização como recurso didático – às mais elaboradas, que pressupõem o conhecimento e experimentação técnica, a reflexão sobre a sua história, sua tecnologia, sua linguagem, sua estética, e sobretudo, a produção de sentido, inerente a todas as linguagens artísticas.

Sustentamos no estudo que a reflexão sobre o cinema na educação deve se dar a partir do resgate de 3 momentos de sua história: 1) a contextualização da invenção e utilização dos aparelhos ópticos do século XIX - tanto os de observação individualizada, quanto os de fruição coletiva - que nos permite evidenciar a capacidade de transparecer a sua estrutura de funcionamento conjugada com a capacidade de fornecer ao observador imagens ilusórias, qualidades estas que denominamos respectivamente de ‘visibilidade’ e ‘fantasmagoria’ (Crary, 1994); 2) a experiência de fruição dos espectadores nos anos iniciais do cinema, influenciada pelos espetáculos de variedades e atrações (Gunnning, 1989), em que os exibidores muitas vezes atuavam como narradores e/ou comentadores, recriando o material exibido; 3) O desenvolvimento do cinema narrativo clássico a partir de Griffith, que podemos considerar como uma das possibilidades do cinema, resultado de algumas opções estéticas e de pressões econômicas (Machado, 1997:191), mas não única, a exemplo dos diversos movimentos como o das Escolas Soviéticas, a nouvelle-vague francesa, o underground americano, os cinemas novos, dentre outros.

O estudo particulariza estas dimensões, propugnando que as mesmas devem ser recontextualizadas na reflexão sobre a formação do espectador contemporâneo e o desenvolvimento de novas possibilidades da linguagem cinematográfica e audiovisual.

O olhar da criança e do jovem está sempre aberto a novas possibilidades e ressignificações na arte. A formação estética audiovisual para uma educação transformadora deve se dar a partir do conhecimento e reconhecimento dos elementos estéticos e da experimentação de novas possibilidades de criação.

Conforme Leandro (2001), as imagens também podem ser abordadas como espaço de construção de conhecimento. O estudo analisa elementos presentes na obra de Godard para sustentar que a fruição estética do cinema deve ser trabalhada não somente na apresentação mas também na experimentação de sua linguagem, notadamente nas diferentes formas de produzir sentidos com imagens e sons.

A saturação das imagens provocada pelas diversas mídias torna o problema da fruição e da leitura das imagens um tema central na educação básica. Trabalhar o cinema na educação pressupõe a critica à pasteurização e à saturação das imagens provocadas pela indústria cultural, demandando do educador conhecimentos teóricos e práticos capazes de particularizar a experiência do cinema como arte e a formação estética audiovisual. Nessa perspectiva, buscamos a desnaturalização do cinema como mercadoria, buscando, na leitura da arte e na formação do espectador, a reinvenção do cinema e de sua linguagem como fruição cultural e artística capaz de fomentar uma cultura critica e libertária, fundamentos de uma educação emancipatória.

Bibliografia

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras Escolhidas; v.1. São Paulo: Brasiliense, 1986 (2ª edição).

COUTINHO, Mario Alves. Escrever com a câmera: a literatura cinematográfica de Jean-Luc Godard. Belo Horizonte: Crisálida, 2010.

CRARY, Jonathan. L’art de l’observateur: vision et modernité au XIX siécle. Nîmes: Éditions Jacqueline Chambon, 1994.

GUNNING, Tom. Uma estética do espanto: O cinema das origens e o espectador (in)crédulo. Revista Imagens, São Paulo: Editora da Unicamp, n.º 5, ago. / dez. 1995. [publicado originalmente em Art & Text 34, p. 31-45, Spring 1989]

LEANDRO, Anita. Da imagem pedagógica à pedagogia da imagem. In: Comunicação & Educação. São Paulo, (21) 29 a 36, maio/ago, 2001.

MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas e pós-cinemas. Campinas, SP: Papirus, 1997. Coleção Campo Imagético.

________. Arte e Mídia.. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.