/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Espaço canavieiro e retórica da paisagem no cinema brasileiro contemporâneo
Autor
Caio Augusto Amorim Maciel
Resumo Expandido
Na geografia atual o uso do cinema para estudos de representações regionais tornou-se importante meio para compreensão da espacialidade da cultura. O cinema deixou de ser apenas recurso didático, passando a prática social em relação ao espaço. A especificidade da análise geográfica reside em aplicar à ideia de paisagem as habilidades interpretativas exploradas no estudo dos filmes como expressão de camadas de significados sociais. Profissionais voltados ao ensino, como Pontuschka (2007), apontam a necessidade da apropriação da linguagem cinematográfica por parte dos geógrafos, ressaltando seu alcance pedagógico. Tal enfoque permanece valioso, embora se deva enfatizar que a proposta de análise das relações entre paisagem geográfica e cinematográfica seja imprescindível como etapa anterior aos usos didáticos do audiovisual, sob pena de estarmos reproduzindo interpretações de segunda mão sobre o objeto de interesse geográfico: a batalha de argumentos subjacente a cada representação da paisagem. Na geografia cultural, as representações espaciais e seus significados têm tido um importante destaque, donde o cinema vem encontrando terreno fértil. Estudos acadêmicos sobre o cinema têm sido realizados sob o enfoque estético ou das teorias literárias.

Na presente proposta o cinema é antes considerado na perspectiva de interpretação do espaço socialmente construído (BARBOSA, 2000, p.69). Compreende-se a produção, o consumo e significados advindos dos filmes como inerentes ao estudo da própria cultura (TURNER, 1997), buscando-se identificar quais valores as produções cinematográficas utilizam para representar as regiões. O Nordeste brasileiro tem sido o background de uma larga produção audiovisual que, além de fruição estética, é caudatária de simbologias nacionais, evocando quase sempre a ideia de sertão (MACIEL; MAIA FILHO, 2007). Uma das únicas obras do “período da retomada” do cinema nacional em que aparece o Nordeste Agrário do Litoral é Baixio das Bestas. A emergência dessa releitura fílmica de uma região erigida em monumento literário por autores como José Lins do Rego exige uma análise detalhada da interpretação da sua identidade territorial.

Trata-se de uma área que é tão estudada pela sociologia rural e a geografia que o fato de ter permanecido subrepresentada cinematograficamente é indício suficiente para considerarmos a importância do tema. Assis agradece a outro diretor, Walter Lima Júnior, a inspiração advinda da filmagem de Menino de Engenho, da obra homônima de Rego, longa-metragem de 1965. Um lapso de quarenta anos entre as duas produções. Mas, como reconhece Dabat (2007), a qualidade de matriz da obra de Rego implica em que os seus romances sirvam de referência para qualquer evocação posterior da zona canavieira. A relevância do contexto literário e da explícita relação que Assis faz questão de creditar ao filme de Lima Jr. estimula-nos a empreender uma comparação entre as obras referentes à plantation, abarcando as camadas de significados desses e de outros filmes e sua intertextualidade com a literatura do ciclo da cana. Pode-se refletir acerca da natureza das relações que se estabelecem entre o homem e uma paisagem agrícola marcadamente vazia, submetida ao domínio do “agronegócio”. O traço predominante da história dessa região é a permanência, destacando-se o monopólio das terras por poucas famílias, a monocultura e o sistema de exploração do trabalho. Pode-se aventar que esses aspectos da formação do Nordeste marcam o gênio do lugar e as relações entre homem e paisagem. Em conseqüência, tratar-se-ia de um espaço com caracteres de região cultural marcada pela violência, inclusive com a animalização dos trabalhadores. O filme expressa essa atmosfera histórico-geográfica até no título. A tese aqui defendida é a de que o painel regional traçado pelo diretor reflete condições culturais derivadas do sistema de plantação, como propõe Sidney Mintz (2003).

Bibliografia

BARBOSA. Jorge Luiz. A arte de representar como reconhecimento do mundo: o espaço geográfico, o cinema e o imaginário social. In: GEOGRAPHIA, Niterói: UFF/EGG,2000.

DABAT, C. Rufino. Moradores de Engenho. Relações de trabalho e condições de vida dos trabalhadores rurais na zona canavieira de Pernambuco segundo a literatura, a academia e os próprios atores sociais. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2007.

MACIEL, C. A. A.; MAIA FILHO, P. P. P.. Geografia e cinema: paisagens e imagens do semi árido nordestino. In: II Colóquio Nacional do NEER: Espaços culturais: vivências, imaginações e representações. Salvador, 2007.

MINTZ, Sidney W. O poder amargo do açúcar. Produtores escravizados, consumidores proletarizados. Org. e trad. Christine R. Dabat, Recife, Editora Universitária UFPE, 2003.

PONTUSCHKA, Nídia N.; PAGANELLI, Tomoko I.; CACETE, Núria H. Para ensinar e aprender Geografia. São Paulo: Cortez Editora, 2007.

TURNER, Graeme. Cinema como prática social. São Paulo: Summus, 1997.