/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Empreendedores de si: autorrealização e trabalho no cinema contemporâneo
Autor
Bruna Werneck de Andrade Bakker
Resumo Expandido
Da segurança de um plano de carreira à sucessão instável de projetos a curto prazo; dos controlados horários de expediente às flexíveis horas de trabalho; da fixidez analógica do escritório à ubiquidade digital. Diante de um cenário tão cambiante, pode parecer contraditório alegar que o espaço de trabalho seja atualmente considerado um meio para a autorrealização pessoal ou, como diria Jacques Donzelot (1991), uma atividade prazerosa.

Recorrente em muitas produções cinematográficas recentes que tenham como temática as trajetórias profissionais de seus protagonistas, a premissa de logar por meio do trabalho o tradicional "final feliz" dos filmes é atualmente adornada com elementos de cunho teraupeutico. Amiúde, o sucesso profissional exposto nas telas não se limita às conquistas meritocráticas galgadas pelos árduos esforços no trabalho. São trajetórias de auto-descoberta que mesclam empreendedorismo, autenticidade e criatividade que ganham atualmente maior destaque midiático.

Conforme propõe Alain Eherenberg, este cenário é o mesmo em que a figura do empreendedor, antes tida como "um emblema da dominação dos poderosos sobre os humildes", passa a figurar como modelo de vida heroico, assumindo para si a tomada de riscos e a responsabilidade por seus atos (exitosos ou não). Num movimento que alia liberdade e autonomia dos sujeitos sobre o rumo de suas vidas, teríamos como resultado uma forte auto-referência e exaltação de um modo de vida autêntico, como proposto por Ehrenberg (2010): “Hoje, cada um, independentemente de onde venha, deve realizar a façanha de tornar-se alguém por meio de sua própria singularização” (p. 172)

Absoluta em nossos tempos, a urgência em prosperar por meio da profissão já não recorre somente à dignidade de um trabalho bem-feito ou à gratificação de salários bem pagos. Dizer isto não é afirmar que tais formas de satisfação que unem os sujeitos a seus ofícios tenham deixado de existir; mas sim, que é possível vislumbrar forte ênfase à autorrealização por meio do trabalho, tornando a atividade laboral não só prazerosa, como uma fonte de autoconhecimento.

Inspirados ou coagidos pelo modelo empreendedor – seja pela falta de oportunidade no mercado de trabalho ou pela incorporação de seus ideias -, estaríamos todos sujeitos às suas consequências. Como ressalta Fabrício Maciel: "o que vivenciamos atualmente é um perverso casamento entre instrumentalismo e romantismo na construção de um sistema que agora se legitima através de sua encantadora promessa de felicidade pessoal através do trabalho" (2006, p. 223)

Percebendo o espectro midiático como potencialmente influente na formação, consolidação e legitimação de valores na sociedade contemporânea, torna-se indispensável analisar as formas de representação do mundo do trabalho a partir dos discursos midiáticos produzidos, sobretudo em formato ficcional. A partir dos filmes A rede social (David Fincher, 2010), Amor sem escalas (Jason Reitman, 2009), 500 dias com ela (Mark Webb, 2009) e O diabo veste Prada (David Frankel, 2006), examina-se aqui a articulação da busca por autorrealização no trabalho com ideais de autonomia, liberdade, autenticidade e empreendedorismo.

À luz do conceito foucaultiano de governamentalidade neoliberal e de discussões acerca das mudanças no chamado "novo capitalismo" e seus reflexos nas estruturas do mercado de trabalho, oriento esta análise para a forma pela qual novos valores morais e éticos são articulados em um cenário econômico instável.
Bibliografia

BOLTANSKY, L. & CHIAPELLO, E. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

DONZELOT, J. Pleasure in Work. The Foucault Effects. University of Chicago Press, Chicago, 1991. EHRENBERG, A. O culto da performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Editora Ideias e letras. São Paulo. 2010.

FOUCAULT, M. Nascimento da Biopolítica. Curso dado no Collège de France (1978 - 1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FREIRE FILHO, J. (org.). Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

LOPEZ-RUIZ, O. Os executivos das transnacionais e o espírito do capitalismo: capital humano e empreendedorismo como valores sociais. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2007.

MACIEL, F. A metafísica do trabalho em Simmel: sua validação atual. Perspectivas, São Paulo, 30: 211-226, 2006.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo espírito do capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2009.