/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Desmontando monumentos: apropriação, imagens de arquivo e documentário
Autor
Luiz Augusto Coimbra de Rezende Filho
Resumo Expandido
Essa comunicação retoma a discussão sobre a “crítica dos documentos” empreendida pela História Nova e pela Arqueologia de Foucault, buscando relações entre essa perspectiva e a apropriação de documentos audiovisuais em práticas artísticas contemporâneas. Nos anos 1960, foi Foucault quem identificou uma revolução na maneira de pensar o documento. O historiador e filósofo reflete sobre as noções de documento e de monumento, materiais da memória coletiva e da história, e faz uma afirmação que se tornou célebre: a história é o que, hoje, transforma os documentos em monumentos.

Certos argumentos desenvolvidos por Foucault nos parecem úteis para pensarmos o uso do documento e certas questões que envolvem esse uso na arte contemporânea e no documentário. Classicamente, o documentário tem afinidades com o documento na sua acepção mais tradicional. Muitas críticas feitas ao documentário até hoje se baseiam nessa relação, como se o documentário, desde sempre e para sempre, almejasse as mesmas características e funções do documento em sua compreensão tradicional: expressar a verdade, representar o real.

A revelação do conjunto de operações que o documento demanda para “ser historicizado”, e que podemos entender como o que Foucault denomina “crítica do documento”, é a investida da história numa compreensão do documento não mais como algo que “representa” uma segunda coisa, e que por isso deve ser interpretado e determinado como algo a que cabe de maneira fundamental a indagação sobre sua autenticidade. O documento passa a ser pensado como o que precisa ser trabalhado segundo um campo de relações estabelecido pela própria história e como o que estabelece sentidos e valores diferentes de acordo com a perspectiva que o insere neste campo de relações.

Jacques Le Goff (1990) retoma essa discussão em uma perspectiva muito similar à de Foucault. Para o autor, o método seguido pelos historiadores sofreu uma mudança. Não se trata mais de fazer uma seleção dos vestígios, traços e monumentos, mas sim de considerar todo documento como um monumento, ou seja, de colocá-los em série e inseri-los nos conjuntos formados por outros monumentos, de trazer à luz as suas condições de produção e de mostrar em que medida todo documento é instrumento de um poder.

Fica então estabelecido um novo estatuto e relevância para os arquivos documentais, além de uma nova concepção de documento histórico, tomado em si mesmo como objeto de análise e não como objeto inocente e transparente da escrita da história. A derradeira transformação da noção de documento na contemporaneidade passa pela constatação daquilo que o faz transformar-se em monumento: a sua utilização pelo poder. O documento é monumento porque resulta de um esforço das sociedades que o guardaram e manipularam. Passa, além disso, pelo entendimento segundo o qual documento e monumento são um par indissociável.

O documento/monumento aparece, assim, como o resultado de uma montagem não só da época e da sociedade que o produziram, mas também das diversas épocas sucessivas durante as quais ele continuou a existir e a ser manipulado. A crítica dos documentos/monumentos é, em certa medida, a sua desmontagem, uma desestruturação desta construção, já que eles são marcados por uma intencionalidade, sobre a qual não cabe, em última instância, um julgamento sobre o que nela é verdadeiro ou falso.

É um gesto análogo ao que os historiadores fazem ao empreender a crítica dos documentos que encontramos em cineastas como Chris Marker, Harun Farocki e Sergio Bianchi. Estes cineastas operam o que acima denominamos “desmontagem” das imagens de arquivo ao se apropriarem de documentos audiovisuais produzidos a uma distância histórica que já os havia preenchido de sentido e valor. Esta comunicação apresentará, em sua conclusão, breves análises sobre como estes realizadores empreendem cinematograficamente uma “crítica dos documentos” que utilizam.

Bibliografia

COMOLLI, J-L. “Mauvaises Frequentations”, in Images documentaires, numero 63, Regard sur les archives. Paris: 2008.

DIDI-HUBERMAN, G. Images malgré tout. Paris: Les Editions de Minuit, 2003.

___________________ Quand les images prennent position – L’oeil de l’histoire 1. Paris: Les Editions de Minuit, 2009.

__________________ L’oeil de l’histoire, Remontages du temps subi T2. Paris: Les Editions de Minuit, 2010.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

LE GOFF, J. Documento/Monumento, in História e memória. Campinas: Unicamp, 1990.

__________ Foucault e a “nova história”. In Plural, Sociologia, USP, São Paulo, 10: 197-209, 2º sem. 2003.

__________ (org.) A História Nova. São Paulo: Martins Fontes, 2005.