/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
O cheiro do ralo: criação estética no cinema de transgressão
Autor
Heloisa Pisani
Resumo Expandido
A transposição de obras literárias para o cinema é tema que há décadas gera discussões. Levando-se em consideração as especificidades técnicas e conceituais de cada meio, abre-se a possibilidade de conceber esse processo como uma transcriação, ou seja, um trabalho em que os autores (o roteirista, diretor, diretor de arte, fotógrafo, montador e demais profissionais envolvidos) criam sua obra para além daquela em que se basearam, sem buscar a “fidelidade” ao livro, mas usufruindo de uma liberdade que os autoriza a mobilizar outras resoluções para sua própria obra.

A palavra escrita realiza mediação por signos, os quais geram, por sua vez, uma ideia diferente em cada leitor de acordo com seu repertório, o qual também se transforma. O meio audiovisual trabalha com um contexto “demonstrativo”, criando realidades visuais e sonoras que mobilizam percepções mais imediatas do espectador.

Dessa forma, a experiência gerada pela leitura de um livro, ao ser transcriada para as telas de cinema, deve operar de outra maneira, a partir dos dispositivos do meio cinematográfico.

O Cheiro do Ralo, estreia do até então quadrinista Lourenço Mutarelli na literatura (2002), foi transformado em longa-metragem pelo diretor Heitor Dhalia (2006).

O livro narra a história de um comprador de objetos antigos/ raros que passa a viver transtornado com o cheiro do ralo do banheiro de sua loja. Entre o término do seu noivado e a relação com clientes excêntricos, o personagem se apaixona pela bunda da garçonete de uma lanchonete e passa a querer comprá-la.

A semelhança entre ambas as obras se constitui pela história em si, a trama e forma narrativa. O fluxo de consciência do protagonista se transforma em narração over no filme. A escrita de Mutarelli é ágil e repleta de diálogos. Na obra literária, porém, são escassas as descrições de personagens e espaços. A sensação estética vivenciada pelo leitor se dá pela relação com o ritmo da narrativa, fluxos de consciência mesclados às falas de figuras diversas, cortes, repetições, ironias e rimas. O autor cria uma cadência urbana, frenética – assim como seu protagonista.

O filme homônimo aproveita a estrutura da obra literária para realizar sua construção imagética. O orçamento bastante baixo (R$350 mil financiados pelos próprios realizadores, ou seja, um trabalho totalmente independente), impôs diversas restrições à equipe. As soluções buscadas acabaram por imbuir ao filme um estilo próprio, com opções estéticas bastante marcadas.

À câmera estática predominante no longa-metragem somaram-se cortes e utilização de campo/ contra-campo, os quais dão agilidade à narrativa. Os espaços amplos e vazios dos galpões onde ocorreram as gravações foram ambientados com móveis e objetos de diferentes épocas e origens. A paleta de cores foi definida de acordo com a temática: predominância do marrom (o ralo), que varia para o vermelho, cinza e azul (cores também predominantes por conta do contexto marcadamente urbano).

A relação entre a criação imagética do filme e a temática das obras (tanto literária quanto cinematográfica) é bastante estreita. O conteúdo de “trangressão” (que trata de um personagem sem pudores cujo prazer sádico é forçar os limites a que chegam as pessoas por seu dinheiro), aliado à estética, propõe o estranhamento: não há a intencionalidade de criar personagens necessariamente coerentes e que atravessem a trama. A tônica é, justamente, mostrar variações de personalidades humanas em suas mais diversas excentricidades, que em sua maioria fazem aparições pontuais, e de cuja construção participam em grande parte figurinos, artefatos e mobiliários.



Bibliografia

AVELLAR, J.C. O Chão da Palavra. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

BUTCHER, P. Cinema Brasileiro Hoje. São Paulo: Publifolha, 2005.

CANDIDO, A. et al. A Personagem de Ficção. São Paulo: Perspectiva, 2009.

ISER, W. O Ato da Leitura: uma teoria do efeito estético. São Paulo: Ed. 34, 1999. v.2.

JULLIER, L; MARIE, M. Lendo as imagens do Cinema. São Paulo: SENAC, 2009.

MUTARELLI, L. O Cheiro do Ralo. São Paulo: Devir, 2002.

O Cheiro do Ralo. Dir. Heitor Dhalia. Brasil, 2007.

PASOLINI, P. P. Empirismo Hereje. 152. Ed. Lisboa: Assírio e Alvim, 1982

PEIXOTO, N. B. Paisagens Urbanas. São Paulo: Senac, 2004.

RANCIÈRE, J. Le destin des images. Paris: La fabrique, 2003.

RESENDE, B. Contemporâneos: expressões da Literatura do século XXI. Rio de Janeiro: Casa da Palavra: Biblioteca Nacional, 2008.

TARKOVSKI, A. A. Esculpir o Tempo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

XAVIER, I. (Org.). A Experiência do Cinema. Rio de Janeiro: Edições Graal: Embrafilmes, 1983.

www.gutacarvalho.com

www.ocheirodoralo.com.br