/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
O mundo de Jia Zhang-ke
Autor
Cecília Antakly de Mello
Resumo Expandido
A comunicação proposta é dedicada ao filme O mundo (2004) do diretor chinês Jia Zhang-ke. Um dos principais diretores do cinema mundial contemporâneo, Jia realizou de 1994 a 2011 dezessete filmes entre curtas e longas, em um primeiro momento atuando na clandestinidade dentro de seu país, com financiamento externo, e a parir de O Mundo com o aval do governo chinês. Jia é considerado o principal nome da Sexta Geração do cinema chinês, também conhecida como a ‘geração urbana’ por seu enfoque na vida e na paisagem das cidades do país. Por vezes chamado de ‘o poeta da globalização’, Jia é também, como sugere Chris Berry, um ‘historiador’ da transformação da China contemporânea. Articulando através do cinema diversos aspectos da realidade de seu país, sua obra é impulsionada por um olhar para o passado, de sobretons nostálgicos, e ao mesmo tempo por uma urgência em filmar o desaparecimento do velho e o surgimento do novo. A combinação destes dois vetores resulta na atualidade e na força de seu cinema, que parece funcionar como um diagnóstico dos nossos tempos.

A análise de O mundo avaliará a especificidade de sua prática espacial primeiramente em relação à tradição artística da jardinagem chinesa e em relação ao jardim como uma experiência pré-cinematográfica. O cinema aproxima-se então da arquitetura pelo viés do espaço, atravessado por um espectador em movimento (através do jardim) ou por um espectador imóvel (através da experiência háptica da visualização de um filme). Em O mundo, o espectador segue os diversos personagens que trabalham no parque e atravessam um espaço heterotópico, aquele que contém vários outros espaços. O desejo de conter o mundo dentro de um parque será analisado historicamente, e por fim sugerirei que o filme articula a tensão entre a tradição histórica do império chinês, construído sob a égide do isolamento e das fronteiras, e o momento atual em que a China se abre economicamente para o resto do mundo.



Bibliografia

Berry, Michael (2009), Jia Zhangke’s ‘Hometown Trilogy’. London: BFI.

Bruno, Giuliana (2002), Atlas of Emotion: Journeys in Art, Architecture and Film. New York: Verso.

Fiant, Antony (2009), Le cinéma de Jia Zhang-ke: no future (made) in China. Rennes: Presses universitaires de Rennes.

Foucault, Michel ([1967] 1984), “Des espaces autres”. Architecture, Mouvement, Continuité 5, Octobre 1984.

Jia, Zhang-ke (2008), Jiaxiang 1996-2008. Pequim: Peking University Press.

Massey, Doreen (2008), Pelo Espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.