/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Percepções do ser e da realidade: tempos e memórias em Sans Soleil
Autor
Edson Pereira da Costa Júnior
Resumo Expandido
Em seus estudos acerca das sociedades arcaicas, Mircea Eliade compreende a realização de rituais e gestos míticos como constituintes de uma concepção de mundo que valoriza o significado trans-histórico dos acontecimentos. Para aquelas sociedades, os ritos e outras cerimônias são dotados de um valor que transcende o ato físico para encontrar justificativa na repetição de um exemplar mítico.



Buscaremos entender o significado dos rituais e mitos levantados em "Sans Soleil" (Sem Sol, 1982) por meio da compreensão de que tais atos reforçam e colaboram para a conservação de uma memória coletiva que valoriza um modelo mítico em detrimento às particularidades e histórias pessoais. A execução das cerimônias está imbricada à percepção do tempo enquanto renovável, regenerável e, em determinadas comunidades, cíclico.



Tais concepções, referentes às sociedades fundamentadas ou perpassadas pela realização de rituais e ações arquetípicas, são motivadas pela postura que o homem tem frente aos acontecimentos históricos ou, segundo Eliade, à recusa diante da irreversibilidade, do “terror da história”.



A presença das tais manifestações ritualísticas e míticas em "Sans Soleil" será trabalhada em conjunto com a reflexão que Chris Marker, na figura de seu personagem Sandor Krasna, desenvolve sobre a memória individual – próxima à memória involuntária proustiana –, e sobre o pensar, em tom elegíaco, a respeito da transitoriedade e efemeridade do ser diante do tempo.



Acreditamos, assim, que o filme trabalha com visões diferentes sobre a memória, o tempo, e a percepção do sujeito e da coletividade diante dos acontecimentos históricos.

Bibliografia

BERGSON, Henri. Matéria e memória: Ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. 2 ed. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

_______________. Memória e vida. Tradução: Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

_______________. Duração e simultaneidade: a propósito da teoria de Einstein. Tradução: Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BRESCIANI, Stella e NAXARA, Márcia (orgs). Memória e (res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP, 2001.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. 4 ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 1994.

______________. O mito do eterno retorno. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1984.

PELBART, Peter Pál. O tempo não-reconciliado. São Paulo: Perspectiva, 2004.

SILVA, Josimey da Costa. O cinema e a fotografia: percepção, memória e pensamento. In: MONZANI, Josette e MONZANI, Luiz R. (orgs.). Olhar: Imagem/Memória. São Carlos, SP: Ed. Pedro e João Editores/ CECH – UFSCar, 2008.