/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
V de Vertigem: efeito trompe l´oeil no cinema
Autor
Maria do Carmo de Siqueira Nino
Resumo Expandido
Jogo de Cena (Eduardo Coutinho, 2007) e Verdades e Mentiras (“F” for Fake, Orson Welles, 1973) se pautam em um questionamento sobre a natureza da verdade na arte.

Os dois diretores cada um a seu modo, nos partilham as suas reflexões sobre a real essência deste ato estético que denominamos arte, ao mesmo tempo em que abrem a perspectiva para que ela seja compreendida a partir da própria noção de artifício, com a qual a mesma partilha a raiz etimológica. A obra de arte, graças à construção de um artifício ou de uma representação onde se dá um deslocamento e uma elaboração secundária, nos revela tanto a verdade da natureza exterior como também aquela da nossa própria natureza humana.

A partir deste confronto, resta-nos precisar e contextualizar na obra de cada um dos autores, o princípio do mecanismo do artifício na sua função propriamente estética. No filme brasileiro a reflexão se dá através do teatro e no americano temos um jogo complexo entre as polaridades da pintura e da literatura. Em ambos, a linguagem cinematográfica, ao assumir o viés documental, se vê explorada em recursos que lhe são característicos e cujos próprios limites do gênero são questionados pelos autores. Sob esta perspectiva, os dois artistas se reinventam e os dois filmes se investem de um caráter metalingüístico, auto-reflexivo.

A idéia proposta neste trabalho lança mão dos conceitos intrínsecos a uma das categorias fundamentais da estética, o trompe l´æil, para servir como pedra de toque para uma análise dos dois filmes ainda que pese a distinção de abordagem entre eles, mesmo ambos assumindo explicitamente o caráter lúdico da experiência.

Para além da ilusão que se materializa no visível, estabelecendo transitoriedades e alternâncias entre o real e sua representação, temos também a relação que o trompe l´ æil estabelece com a ficção, a magia, o humor, a ironia (Welles) e a precariedade da identidade, a catarse e o fetiche (Coutinho)... e vice-versa.

Bibliografia

• Artaud, A, O teatro e seu duplo, tr. Teixeira Coelho, SP, Martins Fontes, (1964), 1993

• Court, R. (et autres), L'effet de trompe l' oeil dans l' art et la psychanalyse,Paris, Bordas, 1988.

• Chalhub, S, A Metalinguagem, SP, Ática, 2005.

• Dällenbach, L., , Le récit spéculaire.Essai sur la mise en abîme, Paris, Seuil, 1977

• Derrida, Jacques, La verité en peinture, Paris, Flammarion, 1978.

• Haar, M, A obra de arte: ensaio sobre a ontologia das obras, tr. M.ª Helena Kühner, RJ, DIFEL, 2000.