/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Revelando os Brasis e o processo de produção de curtas-metragens
Autor
Dafne Reis Pedroso da Silva
Resumo Expandido
A proposta deste texto é relatar a construção de parte da problemática de minha tese de doutorado, no sentido de compreender o processo de produção de curtas-metragens do projeto Revelando os Brasis ano IV, com foco nos selecionados do Rio Grande do Sul . A idéia é situar o contexto em que se insere o fenômeno; investigar como as interações ocorridas nas oficinas de capacitação audiovisual e o nos processos de produção marcam os curtas-metragens; e identificar quais são os elementos das identidades culturais selecionados e como são narrados.

O projeto Revelando os Brasis surgiu em 2004, na Secretaria do Audiovisual (SAV) do Ministério da Cultura. É realizado pelo Instituto Marlin Azul, pela SAV, com patrocínio da Petrobras e em parceria com o Canal Futura. A cada edição, é lançado um concurso de histórias destinado aos moradores de cidades com menos de vinte mil habitantes. Os interessados devem escrever um texto e não precisam ter qualquer formação audiovisual. Quarenta histórias são selecionadas e os autores participam de oficinas preparatórias no Rio de Janeiro. Os selecionados retornam às suas cidades e, com o apoio de uma produtora da região e com a mobilização dos demais moradores da cidade, realizam os curtas. Posteriormente, os curtas-metragens são exibidos pelo país em sessões itinerantes de cinema, além de serem veiculados pelo Canal Futura e distribuídos em DVDs para circuitos gratuitos de exibição.

A inclusão e a formação audiovisuais são questões importantes para o Revelando. Entretanto, entendo que os selecionados são sujeitos que estão imersos em um fluxo midiático, o que os torna portadores trajetórias de consumo midiático específicas. Nesse sentido, o que acontece quando os selecionados do Revelando os Brasis encontram-se com os professores (detentores das lógicas cinematográficas de produção)? Ou seja, quando duas formações audiovisuais distintas encontram-se, como se dá essa interação?

Portanto, é interessante pensar em projetos que têm o propósito de capacitar sujeitos que estariam à margem do processo produtivo cinematográfico, de modo que estes possam realizar seus próprios filmes. De acordo com o mapeamento de Toledo (2010), existem, pelo menos, 126 projetos de educação audiovisual popular (EAP) no Brasil. O Revelando os Brasis inclui-se nas propostas de EAP, pois considera que sujeitos que estão longe dos grandes centros, vivendo em pequenas cidades do interior do país, também podem fazer suas produções e expressar suas culturas. Sendo assim, de que forma essas pessoas relacionam-se com a produção audiovisual? Como a experiência de pertencer àqueles locais também configura o que é contado nos curtas?

Compartilho com a idéia de Hall (2000, p. 108), de que as identidades não são imutáveis e unificadas, mas “multiplamente construídas ao longo de discursos, práticas e posições que podem se cruzar ou ser antagônicos”. Considerando esta perspectiva, entendo o cinema como um dos modos de construção de identidades. Por isso, em relação ao Revelando os Brasis, o que é escolhido pelos selecionados para ser contado? Que elementos das culturas são narrados e como são?

A etapa que será apresentada neste trabalho foi desenvolvida entre os meses de outubro de 2010 e fevereiro de 2011. Refere-se a uma aproximação com o objeto, a partir de documentos, observações participantes das oficinas de capacitação audiovisual; aplicação de questionários e realização de entrevistas com os selecionados do Rio Grande do Sul; entrevistas com os professores e com os organizadores do projeto; observações dos processos produtivos de gravação de curtas-metragens. Os dados obtidos serviram para a reconstrução do problema de pesquisa e para o redesenho da investigação, a qual está em processo. Os procedimentos metodológicos de coletas de dados experimentados e os dados parciais coletados serão apresentados nesse trabalho, assim como uma reflexão acerca desta etapa e dos desdobramentos ocorridos a partir dela.
Bibliografia

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.); HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

Toledo, Moira. Educação Audiovisual Popular no Brasil - Panorama, 1990 2009. 2010. Tese (doutorado) – Universidade de São Paulo, 2010.