/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Corpos instalados: corpo e audiovisual na arte contemporânea
Autor
walmeri Kellen Ribeiro
Resumo Expandido
Desde a década de 60 há uma tendência performativa na produção artística ocidental (Fischer-Lichte: 2008). Intitulada como “performative turn”, ou seja, virada performativa, esta tendência permeia todas as formas de expressão artísticas, ocasionando um “borramento” das fronteiras entre as artes.

No audiovisual, esta discussão se estabeleceu, inicialmente, com a vídeoarte e o cinema experimental dos 60 e 70. Na atualidade, quem ganha destaque é a New Media Art (Dixon:2007) ou Artemídia (Machado:2007), sobretudo por ser uma cena de simultaneidades, e abrir um amplo campo de diálogo entre audiovisual, comunicação, artes do corpo, artes visuais, música e tecnologia, propondo a criação de dispositivos capazes de simular relações sensíveis e dialógicas entre obra e público.

Com intuito de discutir a relação entre audiovisual e corpo na arte contemporânea, esta comunicação refletirá sobre o que denominamos “corpos instalados”. Para tal análise, abordaremos as obras “Passage” (2007/08), “The pupet” (2005) e recombinant - the techn(o)rganic body"(2003/04), do coletivo canadense Kodition pluriel.

Kontidion Pluriel é um coletivo sediado em Montreal, fundado em 2000 pela bailarina Marie-Claude Poulin e pelo artista visual Martin Kusch. Em sua pesquisa e criação, o coletivo, investiga as relações entre dança contemporânea, instalação performativa e ambientes interativos, propondo em suas obras, a partir da criação de ambientes sensíveis, o corpo como mais um dispositivo de produção e manipulação de imagem e som. Em seus espetáculos/instalações, que duram cerca de duas a três horas, os bailarinos, instalados nesses ambiente sensíveis, possuem em seus corpos sensores de movimento e presença e micro-câmeras. O público que visita a instalação pode então manipular esse “corpo instalado”, bem como outros dispositivos espalhados pela cenografia do espaço.

Segundo o pesquisador francês Normand Marcy (2008), o uso de “tecnologias de massa”,tais como softwares de manipulação de imagem e som, sensores de movimento e presença, câmeras, ipods, entre outros, ganham destaque na pesquisa e criação em dança, não sobrepondo o campo da dança ao audiovisual, mas sim propondo um espaço de intersecção dessas artes.

Diante disso, propormos nesta comunicação problematizar essa relação de criação entre corpo e audiovisual, fundamentando esta discussão tanto em teorias do audiovisual (Machado, Bellour, Dubois), quanto nas teorias do corpo (Greiner, Nunes, Corbin) e da Perfomance (Zumthor, Cohen, Fischer-Licthe).
Bibliografia

BELLOUR, Raymond. Entre-imagens: Foto, cinema, vídeo. Campinas: Papirus, 2005.

COHEN, Renato. Performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2007.

CORBIN, Alain.História do corpo. Vol 3: As mutações do olhar.Petrópolis,RJ: Vozes, 2008.

DIXON, Steve. Digital Performance: a history of new media in theater, dance, performance art anda installation. MIT Press, 2007.

DUBOIS, Philippe. Cinema, video, Godard. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

FISCHER-LICHTE , Erika. The Transformative power of Performance: A New aesthetics. London: Routledge, 2008.

GREINER, Christine. O corpo: Pistas para estudos indisciplinares. São Paulo: Annablume, 2005.

MACHADO, Arlindo.Arte e Mídia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,2007.

MARCY, Normand. tecnologies et créations choreographiques contemporaines au québec. In. Corps Numériques en Scéne. Coord. Philippe Franck. Enghien-le-Bais: 2008

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, Leitura. São Paulo: CosacNaify, 2007.