/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Migração de conceitos: análise fílmica, ensaio e experiência estética
Autor
Rubens Luis Ribeiro Machado Júnior
Resumo Expandido
Exercitar métodos que a história da crítica dispõe para analisar os aspectos plásticos do cinema e do vídeo tem exigido retrabalhar os conceitos originários de outras artes visuais, através da análise de obras considerando-se não só a experiência que temos de sua organização estético-formal, como da descrição autocrítica desta experiência buscando sua singularizarão histórica. Temos por horizonte as relações entre as histórias da arte (que nos termos da produção moderna e contemporânea devem aqui compreender as artes plásticas, incluindo-se não só escultura e arquitetura, como fotografia, instalação, arte urbana, ambiental etc.) e do cinema (incluindo-se as novas modalidades de imagem em movimento). Visamos possibilitar a operação a que chamei de migração de conceitos na análise de obras, descrevendo-lhes e comentando-lhes estrategicamente em seu modo de organização no espaço e no tempo.

Ao se fazer a análise estética e historiográfica de obras audiovisuais de artistas e cineastas, foram aflorando em meu percurso de trabalho questões de método que exigiam um re-exame dos procedimentos de análise normalmente utilizados no campo mais geral da crítica e da história do cinema. Os procedimentos de análise imanente se apoiariam inicialmente em autores com Aumont, Leutrat ou Kracauer, por um lado, e Wölfflin ou Argan, por outro, mas com especial com atenção às relações que se estabelecem entre realidades locais e aquelas internacionais. A formação local se volta à observação retrospectiva dos trabalhos de crítica e de história de Ismail Xavier, Jean-Claude Bernardet, Paulo Emílio Salles Gomes, Gilda de Melo Souza, Antonio Candido e Décio de Almeida Prado.

Partimos de um pressuposto segundo o qual é necessário discutir um filme falando sobre o modo pelo qual ele está organizado “objetivamente”. Deste ponto de vista surgem de início as seguintes questões: Como ser “objetivo” ao falar de um filme sem deixar de lado a nossa “subjetividade”? Interessados em “comentar”, “interpretar” ou “julgar” uma obra nós não precisamos dizer com exatidão a que nos referimos, e para isso sabermos descrever — no filme — o que nos interessa? Como descrever aspectos de um filme de modo a provocar ou proporcionar a sua crítica? É possível analisar um filme sem comentá-lo, sem interpretá-lo ou sem julgá-lo? Da análise técnica à análise imanente, que fundamentos da crítica se agenciam? Quais são os procedimentos específicos da análise, do comentário e da interpretação? Qual é o espectro de possibilidades práticas e estilísticas de cada procedimento, e como se articulariam no conjunto do texto? Se a articulação do texto é capaz de construir conceitos pertinentes, a análise ganha dimensão ensaística? Como se posicionam as tradições da crítica diante destas questões?

A busca de um equilíbrio literário possível entre objetividade e subjetividade integra o esforço ensaístico presente na crítica imanente. Cabe à análise saber associar, incorporar, nossa intuição e fantasia à observação rigorosa da obra em suas formas específicas. Um dos procedimentos diferenciadores da análise imanente face à análise técnica seria aprofundar-se no detalhe para avaliar o conjunto e compreender a experiência estética em seu exercício singular. Descrever não é só informar, é evocação sensível, é destacar sutilmente, é sobretudo já glosar, isto é, dotar a descrição da inteligência do que se percebeu, trazer com ela a experiência estética que tivemos da obra, saber que inventamos um modo (entre outros) de falar da experiência que temos da obra; e também de fazer falar a experiência possível da obra. Sob o desígnio da singularização dessa experiência o emprego de conceitos lavrados mediante a análise de diferentes obras artísticas e realidades culturais e sócio-históricas exigirá sua reconstrução pelo nexo ensaístico. Tomamos momentos de uma crítica de Paulo Emílio S. Gomes para discutir procedimentos analíticos, inspirados em categorias esboçadas por Candido, Barthes, Marin e Aumont.

Bibliografia

Adorno, T.W. “O ensaio como forma”, Notas de literatura I. São Paulo: Ed.34, 2003.

_____. Teoria estética. São Paulo: Martins Fontes, s.d.

_____. Terminología filosófica. 2 v. Madrid: Taurus, 1983.

Arantes, P.E. Sentimento da dialética na experiência intelectual brasileira. Rio: Paz e Terra, 1992.

Argan, G.C. Arte e crítica de arte. Lisboa: Estampa, 1988.

Aumont, J. À quoi pensent les films. Paris: Séguier, 1996.

Barthes, R. Crítica e verdade. São Paulo: Perspectiva, 2003.

Benjamin, W. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão. São Paulo: Iluminuras, 1993.

Candido, A. O estudo analítico do poema. São Paulo: Humanitas, 2004.

Deleuze, G.; Guattari, F. “O que é um conceito?”, O que é a filosofia?. São Paulo: Ed.34, 1997.

Leutrat, J.-L.; Liandrat-Guigues, S. Penser le cinéma. Paris: Klincksieck, 2001.

Marin, L. Des pouvoirs de l’image: Gloses. Paris: Seuil, 1993.

Merleau-Ponty, M. "Em toda e em nenhuma parte", in: Os Pensadores, v.XLI. São Paulo: Abril, 1975.