/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Mulheres em Trânsito: diálogo entre Una Novia Errante e Céu de Suely
Autor
Luanda Taveira Fernandes
Resumo Expandido
Este projeto se baseia nos filmes Una Novia Errante (Ana Katz, Argentina, 2007) e O Céu de Suely (Karim Aïnouz, Brasil, 2006) para analisar a experiência do trânsito no cinema sul-americano a partir da perspectiva feminina. Lançadas com um intervalo de apenas um ano de diferença, os dois filmes apresentam peculiaridades relativas à questão geográfica e sua consequente influência na narrativa – a saber, os pampas argentinos e árida paisagem do nordeste brasileiro – apesar das visíveis afinidades temáticas que ambos apresentam.

Se o primeiro relata a espera de Inés (Ana Katz) por seu namorado num hotel localizado num pequeno povoado, após uma discussão; no segundo, Hermila (Hermila Guedes) volta para a cidade natal onde aguarda sem êxito, a chegada do namorado, forçando-as a uma condição de deslocamento não apenas territorial mas também subjetivo. Dessa forma o eixo fundamental dessa investigação, inclui os estudos de gênero que serão abordados aqui a partir da relação dos arquétipos femininos em nossa cultura e como estes aparecem nos filmes de estrada, desde suas expressões mais originárias (destaco o filme Bonnie & Clyde, de 1967) até os dias atuais.



Trato de estabelecer se existem modelos básicos dos quais as personagens femininas se constituem nesses filmes, além de entender se esses modelos se repetem ou se sofreram mudanças nos últimos anos. Caso sofreram, procuro destacar e analisar os fatores que as teriam influenciado. Cabe aqui recuperar a relação centro – periferia para destacar um novo entendimento da mulher a partir dos produtos culturais periféricos que refletem, negando o relativismo cultural e afirmando o pluralismo histórico. O estudo parte do pressuposto de que os diretores em questão encontraram formas plurais de representação do feminino em trânsito, que dialogam com a ideia de pluralismo histórico e elevam a mulher como produtora e não somente portadora de significado.



Busco compreender, por fim, como as duas obras se situam na filmografia dos dois diretores, nas respectivas cinematografias nacionais e no contexto cinematográfico contemporâneo da América Latina, no que tange ao road movie.

Uma Novia Errante é o segundo longa-metragem da diretora, roteirista, produtora e atriz argentina Ana Katz. O Céu de Suely também é o segundo longa da filmografia do diretor brasileiro Karim Aïnouz. Por fim, como os filmes se inserem nas cinematografias atuais de seus respectivos países, e num âmbito mais amplo, na cinematografia sul-americana contemporânea. No âmbito sul-americano ainda pretendo localizar os filmes entre o que parecem ser as duas tendências mais recorrentes que se destacam no gênero road movie: os filmes em que a estrada emerge como metáfora para a descoberta da identidade latino-americana (como é o caso de Diários de Motocicleta, de Walter Salles), e aqueles em que a estrada, não-lugar por excelência, promove uma abordagem mais intimista de abandono e busca de antigas e novas identidades individuais.



Bibliografia

COHAN, Steve & HARK, Ina Rae The Road Movie Book. London/New York: Routledge,1997

CORRIGAN, Timothy. A Cinema Without Walls: Movies and Culture afer Vietnam. N Brunswick, NJ:Rutgers University Press,1991

KAPLAN, E. Ann, A Mulher e o Cinema: os dois lados da câmera. Rio de Janeiro: Ed. Rocco, 1995

MENDES, Adilson (org.). Encontros Ismail Xavier. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2009

MULLER, Adalberto, Cinema (de) novo, estrada, sertão: notas para (se) pensar Cinemas, Aspirinas e urubus in Logos 24: cinemas, imagens e imaginário. Rio de Janeiro: UERJ, 2006

MULVEY, Laura. Prazer Visual e Cinema Narrativo in A Experiência do cinema(XAVIER, Ismail. Org.). Rio de Janeiro: Editora Graal, 1983