/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
A importância da produtora Truque para a retomada do cinema na Bahia
Autor
João Paulo Rodrigues Matta
Resumo Expandido
Após o impeachment do Presidente Collor, em 1993, estimulado por pressões da classe cinematográfica e de segmentos da sociedade organizada, o governo federal lançou uma política de incentivos fiscais, através da Lei Rouanet e da Lei do Audiovisual, que possibilitou a gradual retomada da produção cinematográfica brasileira. Desde então, tendo como base essa política de incentivos, bem como o surgimento de novas políticas públicas e novos parâmetros estruturais favoráveis ao desenvolvimento da indústria cinematográfica no país, como a criação e a atuação da Agência Nacional de Cinema (ANCINE), gradualmente houve o aumento do fluxo anual de produções nacionais e a melhoria de seu desempenho no mercado interno de cinemas. O fenômeno da retomada do cinema brasileiro concentrou-se especialmente no Rio de Janeiro e em São Paulo, onde a indústria audiovisual é mais desenvolvida, mas também se deu de forma relevante em centros urbanos de outros estados do país.

Na Bahia, a Retomada provocou um novo ciclo de desenvolvimento da produção cinematográfica e audiovisual em meados dos anos 1990, contando com a ação organizada de representantes do segmento produtivo e o reforço fundamental de políticas públicas estaduais. Como resultado, em 2001, depois de quase vinte anos, foi lançado um novo longa-metragem, Três Histórias da Bahia, que gerou grande aprendizado e despertou o interesse de uma nova geração de realizadores e profissionais da produção. Desde então, até 2010, tendo a política cultural federal conduzida pelo MINC se reforçado e descentralizado, a partir de 2003, e se articulado com a atuação da Secretária de Cultura do Estado da Bahia – SECULT, criada em 2007, produtoras baianas já realizaram mais de dez longas-metragens.

Ocorre que uma produtora, Truque Cinema, TV e Vídeo, foi responsável pela realização e comercialização de quatro longas-metragens: Três Histórias da Bahia, Samba Riachão, Eu Me Lembro e Esses Moços, lançados no mercado interno de salas de exibição, respectivamente, em 2001, 2004, 2006 e 2007. A Truque foi, portanto, fundamental para efetivar a Retomada, na Bahia, envolvendo-se primeiro com a produção de curtas-metragens, na primeira metade dos anos 1990, para depois enveredar na realização de longas.

Acredita-se que para se entender como foi efetivada a Retomada na Bahia é muito importante compreender a trajetória da Truque e sua articulação com os elos criativos do cinema em Salvador. Este trabalho objetiva discutir esta perspectiva.

Bibliografia

ABCV – Associação Baiana de Cinema e Vídeo. Home Page Institucional. Disponível em: . Acesso em 18 dez. 2010.

Filme B. Home Page Institucional. Disponível em . Acesso em 2 abr. 2011.

MATTA, João Paulo R.; LOIOLA, Elisabeth. Cidade de Deus e Janela da alma: um estudo sobre a cadeia produtiva do cinema brasileiro. Revista de Administração de Empresas, São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, v. 49, n. 198, p. 27-37,jan./mar.2009.

SANTANA, Pedro. Diagnóstico da cadeia produtiva cinematográfica na Bahia. 2006. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador.

SETARO, André. Visão histórica e crítica do cinema bahiano. 2007. Disponível em:. Acesso em: 15 mar. 2010.

Truque Produtora de Cinema, TV e Vídeo. Home Page Institucional. Disponível em: . 2 abr. 2011.