/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Elementos estéticos e narrativos da Hagiografia Fílmica
Autor
Luiz Vadico
Resumo Expandido
Diversos são os Santos cuja vida fascina milhões de pessoas. E esta fascinação já nos dá uma primeira característica de um filme hagiográfico, a exemplaridade. Nesta apresentação pretendo, através do visionamento de diversos filmes buscar estabelecer algumas das suas características estéticas e narrativas. Buscarei estabelecer um diálogo com o recente trabalho de Pamela Grace, que considera o “hagiopics” (termo em inglês criado por esta pesquisadora), como sendo um desdobramento do “biopics” ou filme biográfico. Verificamos em seu livro, The Religious Film(2009), que apesar de conhecer o termo hagiografia a autora preferiu filiar esta produção à biografia.

Por diversas razões acredito que o filme que narra a vida de um santo está mais intimamente ligado à produção hagiográfica do que à biográfica. Tenciono estabelecer essas distinções analisando uma série de filmes e alinhavando as suas informações, verificando seus quesitos estéticos e narrativos. A primeira característica já foi posta acima, exemplaridade, a próxima provavelmente será a presença contínua de aspectos re-representados, uma discreta, mas reincidente e insistente quebra do naturalismo na representação dos atores, como pode ser verificado facilmente no filme Antonio, guerreiro de Deus (Bellucco, 2006).

Ao mesmo tempo seria interessante fazer um trabalho comparativo entre os dois principais produtores de filmes de santos: Estados Unidos e Itália. Ambos produziram filmes cujo tema era São Francisco de Assis, por exemplo; ou Estados Unidos e França, pois ambos também se encontram em Joana D’Arc, mas mais do que pensar em comparações entre estilos, também há um aspecto fundamental neste tipo de produção, o filme de Santo e o filme de Santa, existem diferenças entre eles? É o gênero sexual um dado importante na organização da narrativa? A que gênero de filmes pertence a hagiografia fílmica, seriam melodramas?

Minha apresentação mais do que buscar respostas tenderá a levantar questões para serem debatidas relativas à estética e narratividade nestes filmes.

Alguns dos filmes que serão analisados: Antonio, guerreiro de Deus (Antonello Bellucco, 2006, Itália); Irmão Sol, Irmã Lua (Zeffirelli, 1972, Itália), Joana d’Arc (Victor Fleming, 1948, Estados Unidos), A Paixão de Joana d’Arc (Carl Dreyer, 1928, França), O Processo de Joana D’Arc, de (Bresson, 1962, França), e mais recentemente Joana D’Arc, de (Luc Besson, 1999, França).
Bibliografia

CERINOTTI, Angela. Santos e Beatos de ontem e de hoje. São Paulo: Ed. Globo, 2004.

CORBIN, Alain (org.). História do Cristianismo. Para compreender melhor nosso tempo. São Paulo: WMF/Martins Fontes, 2010.

EHRMAN, Bart D.. Pedro, Paulo e Maria Madalena. Rio de Janeiro/São Paulo: Ed. Record, 2008.

GRACE, Pamela. The Religious Film: the hagiopic. Malden: Wiley-Blackwell, 2009.

MARSH, Clive; ORTIZ, Gaye (org.). Explorations in Theology and Film. Massachusetts: Blakwell Publishers Ltd., 1997.

MITCHEL, Jolyon; PLATE, S. Brent. The Religion and Film Reader. New York/London: Routledge, 2007.

VARAZZE, Jacopo de. A Legenda Áurea. Vidas de Santos. São Paulo: Cia das Letras, 2003.