/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Partido alto: a voz na tomada
Autor
Sérgio Puccini Soares
Resumo Expandido
A comunicação irá apresentar uma análise do documentário Partido alto (1982), de Leon Hirszman, centrada no uso da voz. Documentário de curta metragem, Partido alto possui uma estrutura discursiva mínima, marcada por apenas duas situações de filmagem que cobrem as rodas de samba ocorridas nas casas dos sambistas Candeia e Manacéa. A opção preferencial da montagem é pela adoção de longos planos-sequência, em que o trabalho de câmera quase sempre é feito a partir de uma posição central dentro da roda, reforçando o momento de interação entre câmera e sambistas. Outro aspecto a chamar a atenção no documentário vem a ser o respeito quase total a relação sincrônica entre som e imagem. Com exceção do início da segunda parte do documentário, a da casa de Manacéa, não existem os chamados planos de cobertura. Tão importante quanto o trabalho de interação entre câmera e sambistas, vem a ser a participação dos operadores de áudio que ocupam lugar de destaque no quadro das imagens do documentário. Mais do que a câmera, é o microfone que atrai o interesse dos sambistas, que, em alguns momentos do canto, chegam mesmo a se apoderar dele. Ao mesmo tempo em que opta por um tratamento da faixa sonora fortemente apoiada na exploração do som direto, o documentário faz uso da intervenção de uma locução fora de campo, a cargo do compositor Paulinho da Viola, principal colaborador de Hirszman na elaboração de Partido alto. Embora venha a ocupar um pequeno trecho localizado nos minutos finais do documentário, o uso da locução fora de campo adquire importância significativa dentro do recorte estilístico do filme. Paulinho da Viola ocupa posição de destaque na segunda parte do documentário, conduz entrevistas e sugere tema para a roda de samba. Como uma espécie de mestre de cerimônias, faz uma ponte entre sambistas e documentarista, papel que na primeira parte coube a Candeia. Sua locução fora de campo aparece na sequência final do documentário em três entradas distintas, sendo que na segunda entrada o ponto de vista do texto é em primeira pessoa. O conteúdo informativo da locução reforça o aspecto didático que permeia todo o filme, de se explicar o que vem a ser o samba de partido alto. Por outro lado, o relato incorpora o aspecto da experiência, sinalizando assim uma posição conciliatória, assumida pela locução fora de campo, entre uma voz do saber e uma voz da experiência, para usar a expressão de Jean-Claude Bernardet.
Bibliografia

BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CHION, Michel. La parole au cinema. Paris: Editions de Etoile/Cahiers du Cinéma, 1988.

______. La Voix au cinema. Paris: Editions de Etoile/Cahiers du Cinéma, 1993.

COSTA, Fernando Morais da. O som no cinema brasileiro. Rio de Janeiro: FAPERJ, 7 Letras, 2008.

NICHOLS, Bill. A voz do documentário. Tradução de Eliana Rocha Vieira. In: RAMOS, Fernão (org.). Teoria contemporânea do cinema (vol.II). São Paulo: SENAC, 2004.

PUCCINI, Sérgio. Roteiro de documentário, da pré-produção à pós-produção. Campinas: Papirus, 2011.

RAMOS, Fernão. Mas afinal, o que é mesmo documentário?. São Paulo: SENAC, 2008.

ROTHA, Paul. Documentary film. New York: Norton & Company, 1939.

TEIXEIRA, Francisco Elinaldo (org.). Documentário no Brasil, tradição e transformação. São Paulo: Summus Editorial, 2004.