/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
A crítica cinematográfica nas revistas virtuais
Autor
Álvaro André Zeini Cruz
Resumo Expandido
A crítica no Brasil hoje encontra-se dividida em duas grandes esferas. No meio impresso é predominantemente associada ao jornalismo cultural. São textos com forte caráter informativo, mas sem grandes reflexões estéticas, e que com frequência, reduzem o juízo de valor à função de guia de consumo ao leitor. Na outra ponta, há uma crítica que encontrou o lugar para se desenvolver na internet, beneficiando-se de uma série de características propiciadas por este espaço, como o baixo custo de manutenção e a maior liberdade na produção textual.

Surgindo no final da década de 90, as revistas online destinadas à realização da crítica, dentre elas Contracampo, Cinema em Cena, Cinética, Cinequanon, Filmes Polvo e Interlúdio, se diferenciam em estilos de escrita, organização e pensamento, mas encontram-se bastante próximas por se alicerçarem em torno de uma crítica que pressupõe a visão do filme por parte do leitor antes de acessá-la. Trata-se assim de uma crítica que busca prolongar a vitalidade da obra e provocar aquele que a procura, contrapondo-se, portanto, ao viés orientador que o exercício assume frequentemente nos veículos impressos. É, portanto, uma crítica em que o espectador é tão ativo quanto o crítico ou criador, pois é convidado a inserir-se nesse jogo de equilíbrio entre paixão e lucidez, termos que Jean Douchet pontua como indispensáveis à equação crítica, e dialogar com ele.

A presente apresentação se propõe a fazer um panorama dessas revistas virtuais destinadas à realização da crítica, e desenvolver uma breve reflexão sobre a atividade, pensando em como ela se configura nesse espaço online, que com regularidade, tem transformado não só a experiência crítica, como a própria cinefilia. O objetivo é, portanto, traçar as buscas estéticas e os estilos de linguagem de cada revista, e analisar o desenvolvimento da crítica cinematográfica na esfera da internet para, por fim, repensar questionamentos básicos sempre pertinentes à atividade, como, para quem é a crítica e, sobretudo, qual a sua função.

Bibliografia

ARGAN, Giulio Carlo. Lisboa: Estampa, 1995.



DOUCHET, Jean. A arte de amar. Cahiers du cinéma 126. Paris, 1961.



NOGUEIRA, Cyntia. Cinefilia e crítica cinematográfica na internet: uma nova forma de cineclubismo?. São Paulo: Anablume; Socine, 2006.



OSORIO, Luiz Camillo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.