/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
A montagem como gesto político no documentário ensaístico
Autor
Renata Fonseca Catharino
Resumo Expandido
Essa proposta parte de uma pesquisa atualmente em curso, sobre a potência política do ensaio fílmico. Aliamo-nos, aqui, à ideia de Jacques Rancière, segundo a qual a tarefa política da arte não se restringe a transmitir mensagens ou representar ideologias, referindo-se, antes, à possibilidade das obras intervirem na organização de um espaço-tempo comum, na partilha do sensível. E dentre os modos possíveis de intervenção, destacamos os que se inserem em “um regime de indeterminação das identidades, de deslegitimação das posições de palavras e de desregulação das partilhas do espaço e do tempo” (RANCIÈRE, 2005).

No cinema, entendemos que essa desregulação pode ser promovida por práticas variadas, que sempre implicam um desvio de narrativas esquemáticas, compromissadas com a transmissão de verdades e sentidos fechados. Dentre elas estão aquelas citadas na proposta geral desse seminário: intervenção subjetiva do realizador, apropriação de outras imagens, encenação ou reencenação. Optamos pelo foco em uma operação propriamente cinematográfica, a montagem, que atravessa essas três práticas de desvio.

Sabemos que as abordagens ensaísticas da montagem não passam mais pelo ideal de transparência ou, simplesmente, pelo choque dialético. E nesse sentido, dois autores que pensaram a montagem dão pistas para o estudo que pretendemos fazer. Agamben, em dois textos breves, O cinema de Guy Débord (AGAMBEN, 1998) e Notes on gesture (AGAMBEN, 2000), levanta questões diretamente ligadas à retomada das imagens de arquivo.

No primeiro texto, nos interessa sua análise dos mecanismos de repetição e interrupção (pausa, congelamento) utilizados na montagem cinematográfica. No segundo, nos chama atenção à ideia da imagem como gesto, de uma imagem que se coloca como medialidade pura, “meios sem fim”, e que assim parece escapar tanto à ditadura dos fatos como à descrença cínica que toma as imagens como essencialmente inverdadeiras.

Outra noção que podemos relacionar à montagem vem do livro de Elena del Río (DEL RÍO, 2008). A autora aponta para a existência de imagens afetivo-performativas; imagens que guardam potencialidades disruptivas, que desestabilizam a narrativa tradicional ao se inscreverem em uma lógica do afeto, da intensidade, em processos de transformação, de criação, de devir. Talvez seja esse o estatuto da imagem do ensaio fílmico.

Analisaremos três obras cinematográficas ensaísticas: Videogramas de uma revolução (Farocki e Ujica, 1992), Os catadores e a catadora (Varda, 2000) e Serras da desordem (Tonacci, 2006). As práticas citadas acima encontram-se em cada um desses filmes: a inflexão subjetiva é um dos marcos mais fortes da obra de Varda, a apropriação de imagens é a forma mesma de composição do filme de Farocki e Ujica e a reencenação é a força do filme de Tonacci. Entretanto, essas obras só garantem sua potência (política) – ou seja, escapam aos maneirismos estéticos vazios, aos cinismos, à apresentação crua de fatos – através da montagem. A partir desses três movimentos – inflexão subjetiva, apropriação e reencenação – buscaremos, assim, pensar o ensaio fílmico como obra de arte politicamente potente.

Bibliografia

ADORNO, Theodor W.. O ensaio como forma. In: ______. Notas de literatura I. São Paulo: Duas Cidades, 2003, pp. 15-45.



AGAMBEN, Giorgio. Means without end: notes on politics. University of Minnesota Press, 2000.



__________. Le cinéma de Guy Debord. In. AGAMBEN, Giorgio. Image et Mémoire. Paris: Hoebeke, 1998.



CAETANO, Daniel (org.). Serras da desordem. Rio de Janeiro: Beco do Azougue: Sapho, 2008.



DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2007.



DEL RÍO, Elena. Deleuze and the Cinemas of Performance: Powers of Affection. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2008.



MOURAO, M. Dora G., BROGES, Cristian, MOURAO, Patrícia (orgs.) Harun Farocki: por uma politização do olhar. São Paulo: Cinemateca Brasileira, 2010.



RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Ed. 34, 2005.



__________. Le destin des images. Paris: La Fabrique éditions , 2003.



SIQUEIRA, Marília R. de. O ensaio e as travessias do cinema documentário. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.