/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
The game never ends... uma análise de Endgame, de Beckett e McPherson
Autor
Gabriela Borges
Resumo Expandido
Esta comunicação tem o intuito de analisar a transcriação para o cinema e a televisão da peça de teatro Endgame, de Samuel Beckett. Esta transcriação é parte do projeto Beckett on Film, que produziu as dezenove peças de teatro do dramaturgo irlandês para o meio audiovisual em 2001 numa parceria entre o Gate Theatre Dublin, a Blue Angel Films, a RTE, o Channel 4 e o Irish Film Board. A fim de autorizar as produções, o Beckett Estate, detentor dos direitos autorais da obra beckettiana, impôs várias condições que resultaram num grande desafio à criatividade dos diretores na criação de novas metáforas audiovisuais a partir da linguagem teatral. De fato, Beckett autorizou poucas adaptações do seu trabalho para outras mídias, pois acreditava que o meio era tão importante para a representação que a adaptação nunca iria expressar a sua essência. Por outro lado, a partir de 1967, o dramaturgo dirigiu várias de suas produções para o palco e para a tela, o que influenciou a sua criação artística, uma vez que durante o processo de encenação e de direção alterava o seu próprio texto, reescrevendo assim o seu próprio cânone, como sugere Gontarski (2008).

As escolhas estéticas apresentadas no (tele)filme Endgame (Fim de Partida), dirigido pelo aclamado realizador irlandês Connor McPherson, no que diz respeito à representação das personagens, à configuração do espaço e ao redimensionamento do tempo, exploram o potencial da tecnologia audiovisual na representação da memória e da percepção. Neste sentido, este trabalho pretende analisar as especificidades desta transcriação e o diálogo entre a linguagem teatral e audiovisual, que refletem sobre o próprio processo criativo beckettiano ao mesmo tempo em que criam uma nova poética, que desafia a fortuna crítica do autor e enfatiza a convergência do cinema com a televisão no século XXI.

É importante destacar que este trabalho é parte integrante do projeto de pesquisa “Didaskália: da voz autoral de Beckett à liberdade de criação”, que propõe um estudo sobre a transcriação audiovisual das peças de teatro que compõem o projeto Beckett on Film e está a ser desenvolvido no CIAC (Centro de Investigação em Artes e Comunicação) na Universidade do Algarve, Portugal.
Bibliografia

ADORNO, T. Trying to understand Endgame. In: The New German Critic, nº 26, Spring-Summer, 1982, p. 119-150.

BECKETT; S. The complete dramatic works. Londres: Faber and Faber Limited, 1990.

BORGES, G. A poética televisual de Samuel Beckett. São Paulo: Annablume, 2009.

DELEUZE, G. A imagem-tempo. Cinema II. São Paulo: Brasiliense, 1990.

DELEUZE, G. The Exhausted. In: Substance. A Review of Theory and Literary Criticism. n°24, 1995, p. 3-28.

GONTARSKI, Stanley E. Revisitando a si mesmo. O espetáculo como texto no teatro de Samuel Beckett. In: Sala Preta, Escola de Comunicação e Artes da USP, São Paulo, nº 8, 2008, p. 261-280.

KALB, J. Beckett in performance. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

KNOWLSON, J. Damned to fame. The life of Samuel Beckett. Londres: Bloomsbury Publishing, 1997.

MAUDE, U. Beckett, technology and the body. Cambridge, Cambridge University Press, 2009.