/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Os novos realismos no cinema - Os casos de Shara e A questão humana
Autor
Renato Schvartz
Resumo Expandido
Iniciando com uma revisão histórica sobre diferentes registros do realismo no cinema, o texto discorre sobre as visões de teóricos como Kracauer, Bazin e Pudovkin para quem a manifestação realista vai do puramente fenomenal ao engajamento político, passando pelo aprofundamento psicológico.

Já numa dimensão contemporânea, em que a ubiquidade das imagens e a simultaneidade da informação ajudam a moldar novas esferas perceptivas, procuramos mostrar como o cinema incorpora todo um novo realismo que procura trabalhar as noções de um retorno traumático ou da possibilidade de “redenção” através de uma reaproximação das imagens éticas às estéticas.

Propomo-nos, para isto, utilizarmos dos conceitos desenvolvidos por Jacques Ranciére (A partilha do sensível) e Alan Badiou (The century) para substanciar as noções de uma aproximação do ethos do trabalho ao exclusivismo da “arte pela arte” (Ranciére) e da ideia dos “efeitos brutais” da contingência do real (Badiou).

Neste sentido escolhemos como objetos de análise as películas A questão humana (Nicolas Klotz) e Shara (Naomi Kawase), onde procuramos identificar determinadas temáticas (o retorno traumático; o colapso sígnico contemporâneo; o advento da comunidade) e recursos de linguagem (como o uso do longo plano, as ambiências sonoras, focos narrativos fluidos, uma montagem “calculada”) que estruturam as obras.

A escolha destes filmes se deve ao fato de representarem toda uma cinematografia que tem se preocupado em delinear novas sensibilidades, em que ético e estético voltam a se aproximar num devir da comunidade (Shara) ou no retorno de uma história já não mais determinada pelas promessas de uma revolução, mas por um desastre que ficou para trás (A questão humana).

Bibliografia

AGAMBEN, GIORGIO. The coming community. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2003.



_____________. O que resta de Auschwitz. São Paulo: Boitempo editorial, 2008.



BADIOU, ALAIN. The century. Cambridge: Polity, 2007.



BARTHES, ROLAND. A câmara clara – nota sobre a fotografia. Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1980.



BAZIN, ANDRÉ. O cinema – ensaios. São Paulo. Brasiliense, 1991.



DELEUZE, GILLES. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 1990.



______________. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1988.



DELEUZE GILLES e Felix Guattari. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.



DIDI-HUBERMAN, GEORGES. A sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.



FOSTER, HAL. The return of the real: the avant-garde at the end of the century. Cambridge: MIT Press, 1996.



RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO Experimental / Editora 34, 2005.