/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
O cinema amador brasileiro e os filmes do Foto-Cine Clube Gaúcho
Autor
Lila Silva Foster
Resumo Expandido
Em 2007, a coleção de filmes amadores da Cinemateca Capitólio (Porto Alegre, RS) foi contemplada pelo Programa de Restauro da Cinemateca Brasileira. Restaurados e devidamente preservados, um dos grandes méritos do projeto foi tornar acessível uma rica coleção de filmes de família, cinejornais, animações e curtas ficcionais, todos filmados em 16mm. Produzidos entre 1932 e 1962 por cinco realizadores diferentes – Sioma Breitman, imigrante ucraniano que estabeleceu sólida carreira como fotógrafo profissional; Fernando Moreira Machado, médico e cineasta amador e João Carlos Caldasso, Nelson Furtado e Moacyr Flores, membros ativos do Foto-Cine Clube Gaúcho – a coleção forma uma rica amostra do que é a produção amadora do período.

Como em diversas historiografias nacionais dedicadas ao cinema, o movimento do cinema amador no Brasil ainda não se beneficiou de uma pesquisa mais aprofundada. O presente trabalho pretende lançar ideias preliminares sobre a investigação do cinema amador no Brasil combinando duas perspectivas. Primeiramente vamos traçar as demandas direcionadas ao cinema profissional brasileiro, discurso presente em publicações e periódicos da época, e como o movimento do cinema amador dialogou com essas demandas. Como um país dependente em que o desenvolvimento científico, tecnológico e estético estava sendo decidido nos países com uma indústria cinematográfica bem sedimentada, no caso brasileiro circunscrever o cinema profissional nos ajudará a compreender o movimento do cinema amador, sempre conectado às atividades profissionais, seja como padrão técnico ou estético a ser seguido.

A partir desse breve histórico analisaremos o surgimento, as atividades e a produção ficcional do Foto-Cine Clube Gaúcho. Criado em 1951 e inspirado pela atuação do Foto-Cine Clube Bandeirante ,em São Paulo, o surgimento de tais associações revelam uma organização e institucionalização do cinema amador, criando uma rede mais consolidada de publicações, concursos e troca de informações entre amadores de todo o país. Os filmes serão a base para a compreensão e análise de tais atividades.

Bibliografia

ODIN, Roger. Il cinema amatoriale. In: Brunetta, Gian Pierro (org). Storia del Cinema Mondiale: Teorie, Strumenti, Memorie. Vol.5. Torino: Giulio Einaudi Editore, 2001, pp.319-352.

SHAND, Ryan. Theorizing Amateur Cinema: Limitations and Possibilities. In: The Moving Image: The Journal of the Association of Moving Image Archivists 8, 2 (2008), pp.36-60, University of Minnesota Press.