/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
O ensaio audiovisual e a narrativa de travessias
Autor
Henri Arraes de Alencar Gervaiseau
Resumo Expandido
Pretendemos dar continuidade, nesta comunicação, a reflexão desenvolvida em anos anteriores, sobre filmes de cunho ensaístico, a sua história e suas novas tendências, dentro do campo que se convencionou denominar de documentário.

Este ano, centraremos a nossa atenção em torno de algumas questões que colocam filmes envolvendo narrativas de viagem, a partir da discussão de alguns dispositivos e de algumas abordagens implicadas numa série de filmes que deverão ser: Le régne du jour (1967) de Pierre Perrault; Vers le Sud (1981) de Johan Van der Keuken; Sans Soleil (1982) de Chris Marker; A arca dos Zo’é (1993), de Vincent Carelli et Dominique Gallois; Fotografias (2007) de Andrés di Tella.

Evocaremos, em primeiro lugar, o caso de filmes em que existe organização de viagens com personagens. Veremos que é um frutífero modo de estimular, no espirito dos mesmos, comparações entre um antes e um depois. E que, além disso, a adoção de uma tal abordagem permite não apenas evidenciar um devir, mas ainda favorecer a emergência de narrativas a respeito das passagens entre este antes e este depois. Lembraremos que o percurso ou a travessia de espaços sociais distantes das suas vivências cotidianas, estimula, nos personagens, a comparação entre modos de ser e de estar no mundo, e toca a questão central do pertencimento.

Examinaremos o caso especifico e próximo, onde o realizador, é, ele mesmo, de modo direto, indireto ou implícito, o personagem implicado neste percurso. Compararemos as experiências de alteridade colocadas em jogo em cada caso. Neste quadro, analisaremos os modos diferenciados de apresentação, no curso da narrativa, das modificações operadas no seio dos personagens, na medida em que a dita experiência de alteridade é suscetível de modificar o individuo, de constitui-lo como outro, na relação com si mesmo e com outrem.

Particular atenção será dada a identificação das diferentes modalidades de composição das matérias de expressão em cada uma das experiências cinematográficas ou videográficas evocadas.
Bibliografia

Carvalho, Ana (Org.): Video nas Aldeias. 25 anos. Olinda (PE): Video nas Aldeias, 2011.

Certeau, Michel de. L’actif et le passif des appartenances. In: Esprit, Juin 1985, p. 155-171.

Daney, Serge. Vers le Sud. In: Daney, Serge: Ciné-Journal. Paris: Cahiers du cinéma. 1986, p.86-88.

Didi-Huberman, Georges. Images malgré tout. Paris: Les Éditions de Minuit. 2003.

______. Quand les images prennent position. L´oeil de l´histoire I. Paris: Les Éditions de Minuit. 2009.

Dubois, Philippe (dir.). Recherches sur Chris Marker. Le corps de l’ombre, l’oeil du monde et la distance de la parole. Théoréme 6. Paris: Presses Sorbonne Nouvelle,2006.

Gauthier, Guy (org.). Écritures de Pierre Perrault: les dossiers de la cinémathèque. 11. La Cinémathèque québécoise & Edilig, Montréal et Paris, 1983.

Liandrat-Guigues, Suzanne et Gagnebin, Murielle (dir.). L’essai et le cinéma. Seyssel. Éditions Champ Vallon, 2004.