/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
O céu sobre os ombros: notas sobre a mise-en-scène cinematográfica
Autor
bruno saphira ferreira andrade
Resumo Expandido
A proposta de comunicação pretende desenvolver uma análise do filme O céu sobre os ombros tendo como principais aspectos de abordagem as formas de presença das personagens reais em cena e a construção dos espaços fílmicos vinculados à noção de mise-en-scène no cinema, buscando problematizá-la e especificá-la ao campo de expressão do cinema documentário. Para tanto, além das abordagens recentes sobre a construção da mise-en-scène cinematográfica como elemento potencializador da análise fílmica, o trabalho assume alguns parâmetros desenvolvidos pelo pesquisador Roger Odin na elaboração de um método semiopragmático que tem como interesse prioritário compreender as formas de produção de sentido e afeto entre os movimentos de realização e leitura da obra.

O céu sobre os ombros, produção brasileira de 2011 dirigido pelo cineasta Sergio Borges, é especialmente rico para a abordagem proposta por desenvolver uma relação entre as três personagens e suas maneiras de atuarem no e para o filme bastante peculiares, que nos fazem transitar entre modos documentarizantes e ficcionalizantes - dois dos principais modos de produção de sentido e afeto estabelecidos por Odin - das possibilidades de leitura da obra. A auto representação das personagens em consonância com um conjunto de procedimentos de composição fílmica acabam por criar um hibridismo enriquecedor da criação espaço temporal do filme e consequentemente da criação do espaço do espectador - noção de receptividade assumida por Odin em referência ao que o teórico Alain Bergala, em Iniciacion à la sémiologie du récit em images, Les Cahiers de audiovisuel, chama de “Outro Campo”, que remete a um espaço da espectatorialidade criada a partir do filme.

As noções de mise-en-scène trabalhadas na comunicação serão provenientes das recentes publicações dos autores: Jacques Aumont, em O cinema e a encenação; David Bordwell, em Figuras traçadas na luz, abordagem mais abrangentes que procuram entender, de maneiras diferentes, as transformações históricas e formais da mise-en-scène cinematográfica, suas especificidades e potencialidades para arte cinematográfica. Do pesquisador brasileiro Fernão Pessoa Ramos, que tem dedicado recente atenção ao tema, procurando problematizar e sistematizar formas de mise-en-scène no cinema documentário. E do pesquisador, também brasileiro, Cesar Guimarães que, a partir das noções de auto-mise-en-scène, desenvolvida pelo teórico e crítico Jean-Louis Comolli - em textos reunidos na publicação Ver e poder. A inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário, que também serão abordados no presente trabalho. - e das análises e aplicações do conceito de duração que o filósofo Gilles Deleuze traz para o cinema a partir da obra Matéria e memória do também filósofo Henri Bérgson, trará uma inovadora análise das potencialidades que uma mise-en-scène documentária possibilita à expressividade do cinema ao afirmar, por exemplo, a necessidade de “tempo para que os corpos exponham as heterogêneas temporalidades que os povoam”. (2009: p.42).

Tais noções aliadas aos parâmetros estabelecidos por Roger Odin, em seu esforço de traçar um método semiopragmático de análise fílmica, irão guiar a comunicação, que pretende a partir da análise do filme O céu sobre os ombros trazer contribuições às discussões sobre mise-en-scène cinematográfica, mise-en-scène documentária, auto-mise-en-scène no filme documentário.
Bibliografia

AUMONT, Jacques. O cinema e a encenação. Lisboa: Texto & Gráfica, 2008.



BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz: a encenação no cinema. Campinas, SP: Papirus, 2008.



COMOLLI, Jean-Louis. Sob o risco do real. In Ver e poder. A inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Editora UFMG 2008.



GUIMARÃES, Cesar. Documentário, testemunho do presente. In Imagem contemporânea: cinema, TV, documentáriop, fotografia, videoarte, games... vol.1. São Paulo: ECidade, 2009.



ODIN, Roger. De la fictíon. Bruxelles: De Boek Université, 2000.



___________. A questão do público: uma abordagem semiopragmática In: RAMOS, Fernão Pessoa. Teoria contemporânea do cinema, volume 1. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005.



RAMOS, Fernão Pessoa. A Mise-en-scène do documentário. Revista Cine Documental, número 4, 2011. Disponível em http://revista.cinedocumental.com.ar/4/teoria.html.