/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
A teoria de Cesare Brandi aplicada à restauração de som no cinema
Autor
Joice Scavone Costa
Resumo Expandido
Este trabalho versará sobre a teoria da restauração de Cesare Brandi aplicada à restauração do elemento sonoro intrínseco a um artefato considerado artístico, o filme, ou a obra de arte cinematográfica e fílmica.

A teoria da restauração de arte aborda diferentes aspectos desse percurso ideal, do surgimento de um objeto até a restauração desse mesmo objeto, com vistas a uma nova experiência com ele, guardados os devidos limites de seu contexto original. Dessa forma, iremos enquadrar o cinema como esta arte e, além disso, escolhemos parte desse processo: a restauração de som – que não deve ser tratado dissociado da imagem.

Quando falamos de restauração de som no cinema, levamos em conta muito mais do que o específico sonoro. Mesmo que o filme nunca tenha sido uma "arte silenciosa" - a partir de suas origens era acompanhado por música, efeitos sonoros, vozes de atores e cantores - a maioria das restaurações atribui menos importância aos recursos e conhecimentos para a recuperação da banda sonora do que da imagem. Vários suportes sonoros separados da imagem, tais como cilindros, discos e fitas de seus diversos tipos foram preservadas pelos arquivos e carecem de um nível muito elevado de conhecimentos técnicos para a preservação dos materiais.

Para a composição sonora de um filme, são gerados documentos em papel para a orientação do trabalho (mapas sonoros, partituras) a ser realizado e são necessárias condições técnicas para a gravação (captação) inicial desse som e tratamentos como a transferência de um suporte físico para outro, mixagem, modulação, amplificação, restituição por alto-falantes distribuídos pela sala de exibição e a escuta em volume espacial. Preservadas as sobras físicas desse processo de criação, é possível o melhor resultado da restauração de som.

Guiar-nos-emos por uma vertente da teoria da restauração encabeçada por Cesare Brandi. Brandi produziu numerosos e relevantes textos sobre crítica e história da arte, estética e restauração. Dirigiu por duas décadas o Instituto Centrale Del Restauro (ICR) em Roma e foi professor universitário em Palermo e Roma. Seu livro Teoria da Restauração, inicialmente editado em 1963, é um escrito basilar ainda não superado nesse campo. A vasta experiência prática que ele acumulou no ICR é analisada em um texto denso onde ele articula com profundidade e rigor as questões ligadas à preservação de bens culturais. Embasado em princípios sólidos e coesos, seu trabalho deve sempre ser consultado para enfrentar questões da restauração de modo fundamentado e responsável. Junto a essa teoria, percorreremos nesse trabalho a consciência ética necessária a uma restauração, nos aproveitaremos das experiências de alguns dos responsáveis pelos projetos de restauração de filmes, especificamente restauração de som de filmes, dos anos 1930 realizados no Brasil e cruzaremos teoria e prática.

É a obra de arte que condiciona a restauração e não o oposto. É no ato do reconhecimento dessa obra que as “premissas e condições” na relação da restauração com a obra de arte são reveladas exigindo não apenas a avaliação da “matéria através da qual a obra de arte subsiste, mas também a bipolaridade com que a obra de arte se oferece à consciência”. Ou seja, como produto humano, o restaurador encontrará a “dúplice instância estética e histórica” que deverá ser pesada e avaliada durante todo o processo de restauro. A pesquisa comentada em nosso texto servirá a essa necessidade. Na transposição da teoria criada para a arquitetura e outras artes materiais, ao cinema, o reconhecimento se dá a partir do material remanescente. Levantaremos questões a partir das restaurações realizadas nos títulos Limite, de Mário Peixoto (1931) Mulher, de Octávio Gabus Mendes (1931) e Ganga Bruta, de Humberto Mauro (1933).

Bibliografia

BRANDI, Cesare. Teoria da Restauração. São Paulo: Ateliê Editorial, 2008.

Kurreck, I-H. Untersuchung zur Möglichkeit der Detektion von Fehlerklassen auf Lichttonspuren mit Hilfe der digitalen Bildverarbeitung (Study of the detection of fault classes on optical sound tracks by means of digital image processing). Diploma Thesis, University of Appl. Sciences Wiesbaden, 1999.

BILLEAUD, Richard; FONTAINE, Jean-Marc. La Restauration de Bandes Sonores de Films. Revue Coré, n° 14. Paris, 2004.

READ, Paul; MEYER, Mark-Paul. Restoration of motion picture film. 2000.

SASSO, José Luiz. O negativo de som e o teste de modulação-cruzada. Inédito, 1984.

SOUZA, Carlos Roberto de. A Cinemateca Brasileira e a preservação de filmes no Brasil. São Paulo, 2009.

LAURENT, Gilles. Guarda e manuseio de materiais de registro sonoro. Rio de Janeiro, 1997.