/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Cartas de montagem de Evaldo Mocarzel
Autor
Cecilia Almeida Salles
Resumo Expandido
A comunicação tem por objetivo fazer uma discussão sobre o processo de criação de documentários, mais especificamente, do projeto que Evaldo Mocarzel vem desenvolvendo sobre o teatro paulista. Trata-se de uma proposta de registrar os percursos de diversos grupos em suas experimentações teatrais. A partir de filmagens dos espetáculos e do acompanhamento e registros de ensaios, discussões, conversas e viagens o documentarista é responsável pelo registro da história recente do teatro experimental paulista, assim como pela produção de ensaios audiovisuais. Trata-se, portanto, de uma superposição de reflexões sobre o processo de criação: E.Mocarzel discute visualmente a criação teatral e este estudo pretende pensar a produção de seus documentários.

A dificuldade que sempre se coloca nas pesquisas sobre a criação cinematográfica é como discutir a complexidade de um processo que se dá na inter-relação das diferentes pessoas que formam equipe. A documentação que é oferecida ao pesquisador propõe diferentes portas de entrada para a compreensão de processos coletivos. Neste caso partirei do estudo das chamadas “cartas de montagem” que o documentarista escreve para os montadores. A análise de tais registros será sustentada pelas reflexões sobre processo de criação como redes em construção, em diálogo com pensadores do cinema. Será discutido o modo como se dá a passagem do projeto cinematográfico do diretor para outro membro da equipe. O projeto envolve conceitos que direcionaram a filmagem, clima vivenciado e aspectos mais relevantes da criação teatral em cada caso que foi acompanhado.

Serão enfocados os projetos da Cia. Livre, ao comemorar seus 10 anos (Cia. Livre 10 Anos); o espetáculo Hysteria, do Grupo XIX; A última palavra é a penúltima que envolveu três grupos ( Teatro da Vertigem de São Paulo, Zikzira Teatro Físico de Minas Gerais e a Asociación Para La Investigación Teatral La Outra Orilla, do Peru); e o espetáculo Festa de separação, de Janaina Leite e Felipe Teixeira Pinto.





Bibliografia

AUMONT, Jacques. As teorias dos cineastas. Campinas, Papirus, 2004.

BERNARDET, Jean-Claude. O processo como obra. Folha de São Paulo: Mais!, São Paulo, 13.07.2003.

COLAPIETRO, Vincent M. Peirce’s Approach to the Self a semiotic-perspective of human subjectivity. Albany, State University of New York Press, 1989.

DA-RIN, Silvio. Espelho partido: tradição e transformação do documentário. Rio de Janeiro, Azougue Editorial, 2006.

JOHNSON, Steven. De onde vêm as boas idéias. Rio de Janeiro, 2011.

MURCH, Walter. Num piscar de olhos: a edição de filmes sob a ótica de um mestre. Tradução de Juliana Lins. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

MUSSO, Pierre. A filosofia da rede. In: PARENTE, A. (org.) Tramas da rede. Porto Alegre, Sulina, 2004.

SALLES, Cecilia A. Redes da criação: construção da obra. Vinhedo, Editora Horizonte, 2006.