/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Jogando com os gêneros: a estrada (nada) perdida de David Lynch
Autor
Rogério Ferraraz
Resumo Expandido
Em 1984, Ismail Xavier, no apêndice de seu livro O discurso cinematográfico, apontava que, no cinema daquela época, a citação, o refazer e o deslocar passavam novamente a primeiro plano, a produção autoral era uma “ficção de segundo grau”, repetindo dispositivos clássicos, mas com um novo sentido, “porque sua atmosfera não é mais a de um uso inocente da convenção e do repertório, mas a do rearranjo hiperconsciente das mesmas figuras de estilo, deslocadas, revigoradas pela introdução de ingredientes novos” (p.147). A “grande aposta”, concluía Xavier, “é que, em todo este processo de reiterações e deslocamentos, o cinema de hoje faça ver melhor as próprias convenções de linguagem, as leis dos gêneros da indústria cinematográfica e seu sentido, ideológico e político, no interior da cultura de massas” (p.147). No cinema norte-americano contemporâneo (compreendido aqui a partir da década de 1980), um dos diretores que cumpriu essa “grande aposta” foi David Lynch.

Em suas obras, Lynch trabalha com temas recorrentes e apresenta características que se repetem, o que permite qualificá-los como traços autorais. Vários deles, porém, surgem do modo como Lynch trabalha com os gêneros cinematográficos, como o policial e o noir, o horror, o road movie, entre outros: o cineasta faz uso dos principais clichês desses gêneros, ora para homenageá-los ora para subvertê-los e transgredi-los.

Lynch desenvolve uma espécie de cinema limítrofe que opera exatamente nos limites entre ilusionismo e anti-ilusionismo, narrativa clássica e propostas de vanguarda, filme de gênero e filme experimental. Este cinema limítrofe embaralha formas fílmicas e conceitos artísticos distintos, produzindo um jogo de quebra-cabeça narrativo e estético, em que a junção das partes (ou pistas) resulta na formação de um todo complexo e de múltiplos significados. O rearranjo dos gêneros é uma peça importante desse jogo.

Para demonstrar como isso ocorre no cinema lynchiano, escolhemos analisar o filme A estrada perdida (Lost Highway, 1997). A obra começa a nascer em 1995, quando Lynch entra em contato com Barry Gifford para propor que, juntos, escrevam o roteiro de um filme. Lynch, que já havia adaptado uma obra do escritor, Coração selvagem (Wild at Heart, 1990), ficara intrigado com uma frase do livro Night People, de Gifford: “Cutie, we just a couple Apaches ridin’ wild on the lost highway...” (Gifford, 1992: p.5) Lynch gostaria de criar uma estória a partir daquela idéia de uma “estrada perdida”. Dois anos depois, o filme é lançado: nele, Lynch desenvolve ainda mais seu quebra-cabeça de imagens e sons, em que a esquizofrenia e a duplicidade são fatores imprescindíveis. No próprio roteiro, a produção é descrita como: “A 21st-century noir horror film. A graphic investigation into parallel identity crises. A world where time is dangerously out of control. A terrifying ride down the lost highway.” (Lynch, Gifford, 1997[a]: p.3)

Mas essa mistura de gêneros, aliada ao uso de elementos intertextuais, como referências aos seus outros trabalhos e citações a filmes de outros cineastas, observada em A estrada perdida e descrita pelo próprio Lynch não é exclusiva dessa obra. A apresentação que Michael Atkinson faz de Veludo azul (Blue Velvet, 1986) atenta para essa complexidade do cinema de Lynch: “um filme de estúdio hollywoodiano da década de 80 tão radical, visionário e cabalístico quanto qualquer produção de vanguarda; um filme cult misteriosamente simbólico e subterrâneo, que apesar disto conta com estrelas reconhecíveis e distribuição ampla; um ‘quadro de gênero’ com a ambiência de um temível e hiperelaborado pesadelo; um ‘filme de arte’ americano feito pelo único diretor conceituado de ‘filme de arte’ de Hollywood.” (2002: p. 11)

Portanto, o objetivo desta comunicação é observar de que modo ocorre esse jogo com os gêneros na obra de Lynch, analisando, como caso exemplar, o filme A estrada perdida, sem perder de vista outros trabalhos do cineasta.
Bibliografia

ATKINSON, Michael. Veludo azul. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

COPJEC, Joan (ed.). Shades of Noir: a reader. London – New York: Verso, 1998.

FERRARAZ, Rogério. O cinema limítrofe de David Lynch. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica). São Paulo: PUC, 2003.

GIFFORD, Barry. Night People. New York: Grove, 1992.

LYNCH, David; GIFFORD, Barry. Lost Highway. Londres: Faber and Faber, 1997[a].

______. Lost Highway. Roteiro (Script), 1997[b].

LYNCH, David; RODLEY, Chris. Lynch on Lynch. London: Faber and Faber, 1999.

NAGIB, Lúcia. A droga perfeita que vem do som. In: Folha de S. Paulo. São Paulo, 27/4/1997.

SARGEANT, Jack; WATSON, Stephanie. Lost Highways: An Illustrated History of Road Movies. Creation Books, 1999.

TELOTTE, J. P. (org.). The Cult Film Experience: Beyond All Reason. Austin: University of Texas, 1991.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. 2.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.