/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Presença feminina no cinema brasileiro e a contribuição do Femina
Autor
PAULA ALVES DE ALMEIDA
Resumo Expandido
O cinema tem importante papel na construção e difusão das imagens de homens e mulheres ao longo do tempo, especialmente levando-se em consideração o poder de alcance do cinema clássico hegemônico em quase todo o mundo. Ao analisarmos a história do cinema percebemos que o mesmo foi majoritariamente produzido pela classe média/alta e masculina. O cinema reproduziu representações do patriarcado, das relações familiares, da sexualidade, criou o star system e o sexy symbol e projetou a “objetização” da mulher. O star system por sua vez determinou os padrões de beleza seguidos até hoje pela TV, publicidade e mídia em geral. O cinema padronizou personagens como o “herói”, o “bandido” e a “mocinha”, e criou rótulos para pessoas e comportamentos, de acordo com os costumes de cada época em que foi produzido.



O cinema influenciou e foi influenciado pelas mudanças na sociedade e pelos movimentos sociais ocorridos, assim como pelo movimento feminista e suas bandeiras desde a libertação sexual da mulher até a maior e mais representativa participação da mulher no mercado de trabalho.



Muitos autores da teoria de gênero como, por exemplo, Joan Scott e Judith Butler, apontam como pontos fundamentais na conquista da equidade entre homens e mulheres uma mudança na representação da mulher na cultura, na arte e na mídia, e sua inserção igualitária em todos os níveis de hierarquia no mercado de trabalho.



Esta pesquisa aborda justamente esses dois pontos na medida em que busca demonstrar e analisar a associação entre a presença da mulher em funções chave nos filmes e o protagonismo nos mesmos. O protagonismo aqui será utilizado como uma proxy de representação, dada a complexidade da análise mais profunda da representação de homens e mulheres devido a quantidade de filmes considerados neste trabalho.



Para tanto, este trabalho apresenta uma análise da evolução da participação de mulheres na direção cinematográfica e em outras funções de destaque nas equipes dos filmes brasileiros de longa-metragem lançados entre os anos 1961 e 2010. Além disso, utiliza técnicas de modelagem estatística para investigar se existe relação entre o sexo do protagonista e do diretor desses filmes com o sexo dos indivíduos que desempenham outras funções (tais como roteirista, diretor de fotografia e produtor) e com outras características dos filmes (tais como gênero cinematográfico, ano de produção e temática).



A pesquisa apresenta também uma reflexão sobre o trabalho do Femina – Festival Internacional de Cinema Feminino, que completa uma década em 2013, e seu incentivo para o surgimento de novas diretoras e para a produção de filmes com temática feminina.



Bibliografia

BUET, J. Films de Femmes – six générations de réalisatrices. Paris: Editions Alternatives, 1999.

LAUZEN, M. The Celluloid Ceiling. San Diego: 2010.

MIRANDA, L. Dicionário de Cineastas Brasileiros. São Paulo: Art Editora/Secretaria de Estado da Cultura, 1990.

MORENO, A. Cinema Brasileiro. História e Relações com o Estado. Niterói: EDUFF, 1994.

OTTONE, G. Terra Brasil 95-05. El Renacimiento del cine brasileño. Festival Internacional de Cine de Las Palmas, 2005. Madri: T&B Editores, 2005.

PESSOA, A. Por trás das câmeras. In: HOLLANDA, H. (org.). Realizadoras de cinema no Brasil: (1930/1988). Rio de Janeiro: CIEC, 1989.

RAMOS, J. Cinema, Estado e Lutas Culturais. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

SILVA NETO, A. Dicionário de filmes brasileiros: longa-metragem – 2ª edição revista e atualizada. São Bernardo do Campo: Ed. do Autor, 2009.

TREMILLS, K. Where have all the women gone? Moving Pictures Magazine. V. 1, issue 3, jan/fev 2005. Phoenix: Moving Pictures International, Inc., 2005.