/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Análise filmica de três documentários etnográficos no Peru.
Autor
Carlos Francisco Pérez Reyna
Resumo Expandido
Em 2011 publica-se no Peru, uma série de Vídeos Etnográficos realizados pelo Instituto de Etnomusicología (IDE) da Pontifícia Universidade Católica do Peru promovendo a diversidade cultural entre 1985 e 2010 nesse país. São nove documentários baseados em registros de filmes obtidos a partir de pesquisas etnográficas que tomam como principal foco diversas manifestações culturais e ritualisticas andinas.

Ao abordar temas ligados à etnografia, o documentário revela áudio-visualmente o ponto de vista do pesquisador-cineasta sobre um determinado tema. Segundo Fernão Ramos o documentário é uma “narrativa com imagens-câmera que estabelece asserções sobre o mundo, na medida em que haja um espectador que receba essa narrativa como asserção sobre o mundo histórico” (2008:22). Neste sentido, a voz-over (Nichols; 1988, 2005) é um dos elementos de análise da representação no discurso cinematográfico, que inclui entre outras elementos estruturantes: “a tomada, o sujeito-da-câmera, a forma-da-câmera, a montagem e o espectador” (RAMOS; 2008:82). Assim, a exposição e capacidade discursiva da voz do documentário e sua articulação com outros elementos possibilitam compreender como o cineasta constrói a representação do Outro no filme etnográfico. Desse modo, analisar a questão da voz do documentário etnográfico implica pensar na forma como, no nosso caso, o homem andino, se vê representado e como o poder da fala configura um significativo mecanismo de poder e de reprodução de ideias preconcebidas e/ou percepções distorcidas. Então, esta proposta analisará a questão da voz na representação do Outro nos documentários etnográficos produzidos no Peru entre os anos 1985 até 2010. Para nossa principal base de analise foram escolhidos três filmes, a saber: "El Tupay en Chiaraje" (1996), "Toro Pucllay: El juego del toro" (1997), ambos de Luis Fuigeroa e, "La Fiesta del Agua" (1995) de Manuel Raez Ratamozo. Tendo como premissas as informacoes acima mencionadas, algumas inquietações norteiam nossa proposta: Como essa voz do documentário se expressa? Como ela constrói a representação do Outro? Será que é possível identificar de quem é o poder da voz? O que e de que forma essa voz fala sobre as festas e rituais andinos? Acreditamos que essas análises possam servir como via de acesso para situar hoje, de maneira preliminar, um estudo e uma história do filme etnográfico no contexto peruano. Analisar a representação destes filmes etnográficos peruanos é necessária porque fazem parte de um acervo documentário cujas relações e especificidades entre a pesquisa etnográfica e e sua respectiva representação audiovisual ainda não têm sido explorados como campo de estudo.
Bibliografia

CRAWFORD, P. e SIMONSEN, J.: Ethnographic Film - Aesthetics and Narrative Traditions. Intervention Press. Aarhus, 1992.

MONTE-MOR, Patrícia. Tendências do documentário etnográfico. In: Documentário no Brasil: tradição e transformação. Francisco Elinaldo Teixeira (org). São Paulo: Summus, 2004.

NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Tradução: Mônica Saddy Martins. Campinas, SP: Papirus, 2005.

________________.The Voice of Documentary. In: ROSENTHAL, Allan. New Challenges for Documentary. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 1988.

RAMOS, Fernão Pessoa (org). Teoria Contemporânea do Cinema – Documentário e narratividade ficcional. Volume II. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2005.

________________. Mas afinal... o que é mesmo documentário? São Paulo: Senac/SP, 2008.

________________. A Imagem-Câmera. Campinas, SP: Papirus, 2012.