/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Essas Grandes Estrelasdo Cinema Direto e suas Fantásticas Performances
Autor
Fernão Pessoa Ramos
Resumo Expandido


No modo estilístico ‘cinema direto’ abordaremos ações e afecções (expressão de afeto por gestos e expressões) nas tomadas de documentários, conforme se expressam para a experiência do sujeito-da-câmera. Na interação que busca o espectador, definimos a ‘encenação’. Vamos chamar de encenação-direta uma encenação para câmera que tem características particulares. Assim, quando personalidades são trabalhas pela narrativa fílmica (com montagem, edição sonora), descolam-se da superfície mais estreita da personalidade cotidiana e abrindo-se, de modo surpreendente, tornam-se 'personagem'. O que é uma personagem documentária, particularmente no modo direto? O movimento da personalidade para a personagem se estabelece no contato e na expectativa da posição espectatorial.

Pretendemos localizar três tipos básicos de trabalho com corpos em cena, na expressão de sua personalidade para a câmera: 1) a encenação-direta de personalidades públicas (pessoas com presença social na mídia audiovisual); 2) a encenação-direta envolvendo personalidades anônimas (o espectador não reconhece o corpo/face figurado na imagem); 3) a encenação-direta que remete ao corpo próprio do cineasta em cena (a encenação ancora-se em quem sustenta a tomada como sujeito-da-câmera em primeira pessoa: imagem privada ou figura pública em situação de performance).

1) A encenação da personalidade pública no cinema direto: Há uma série de filmes documentários no estilo ‘direto’ que se propõem transfigurar a figura pública de personalidades reconhecidas socialmente, para conformá-las ineditamente no modo direto de representação. Podemos citar: John Kennedy em ‘Primárias’ (Drew); Bob Dylan em ‘Don’t Look Back’ (Pennebacker); Marlon Brando em ‘Meet Marlon Brando’ (Maysles); Jane Fonda em ‘Jane’ (Pennebacker); Robert McNamara em ‘A Névoa da Guerra’ (Morris); Lula em ‘Entreatos’(Salles); Caetano Veloso em ‘Coração Vagabundo’ (Grostein); Fernando Henrique Cardoso em ‘Quebrando o Tabu’ (Grostein); ‘Maria Bethânia em ‘Bethânia bem de perto’ (Escorel e Bressane); Fernanda Torres, Marilia Pera e Andréa Beltrão em ‘Jogo de Cena’ (Coutinho).

2) A transformação da personalidade anônima em personagem pela estilística do direto. Iremos abordar como se cristaliza, para o espectador, pelo sujeito-da-câmera, a camada da personagem a partir dos traços de expressão da personalidade anônima. Serão trabalhadas as grandes ‘estrelas’ do cinema direto, descobertas e criadas por diretores que trabalham nesse estilo. Em particular: Paul Brennan em ‘Caixeiro Viajante’ (Mayles); Big e Little Edie em ‘Grey Gardens (Maysles); Marceline Loridan-Ivens em Crônica de um Verão (Rouch); Elizabeth Teixeira em ‘Cabra Marcado para Morrer’, Henrique em ‘Edificio Master’; Thereza em ‘Santo Forte’; Sarita Brumer em ‘Jogo de Cena (todos de Coutinho); Estamira Gomes de Sousa em ‘Estamira’ (Prado); Francisca da Conceição Barbosa, Maria das Neves Barbosa e Regina Barbosa em ‘A Pessoa É para o que Nasce’ (Berliner); Santiago Badariotti Merlo em ‘Santiago’(Salles), Mr Bayle em ‘The Things I Cannot Change’ (Ballantyne); Stéphane-Albert Boulais em ‘La Bête Lumineuse (Perrault).

3) A encenação da personalidade minha, em primeira pessoa, pelo estilo direto. Para além do ‘filme de família’, a ‘imagem-câmera minha’ abre-se em duas abas sobrepostas que, quando se tocam, formam a ‘imagem-câmera minha’ performática. Refiro-me a cineastas performáticos que compõe a representação do mundo, enunciando sobre o mundo a partir da encenação com seu corpo próprio (gesto, expressão e voz). São eles: Michael Moore em ‘Roger and Me’; Jonathan Caouette em ‘Tarnation’; Ross McElwee em ‘Sherman’s March’; Marlon Riggs em ‘Tongues Untied’; Ari Folman em ‘Valsa com Bashir’; Werner Herzog em ‘O Homem Urso’; Jonas Mekas em ‘Lost, Lost, Lost’; Evaldo Mocarzel ‘A Margem da Imagem’/’Do Luto à Luta’; Sandra Kogut em ‘Passaporte Húngaro’; Kiko Goifman em ‘33’; Cao Guimarães em ‘Otto’; Nick Broomfield em “The leader, his drive and the drivers wife".
Bibliografia



Aitken, Ian. Realist Film Theory and Cinema – the nineteenth-century luckácsian and intuitionist realist tradition. Manchester University Press, 2006.

Butler, Judith. Performative Acts and Gender Constitution: an essay in phenomenology and feminist theory. THEATRE JOURNAL, vol 40, n°4 (dezembro 1988) pp. 519-531.

Bruzzi, Stella. New Documentary: A Critical Introduction. Routledge, 2006.

Cavell, Stanley. Le Cinéma nous rend-il meilleurs? Bayard, 2010.

Cohen, Renato. Performance como Linguagem. Perspectiva, 2002.

Grimshaw, Anna. Ravetz, Amanda. Observational Cinema. Indiana University Cinema, 2009.

Nichols, Bill. Blurred Boundaries. Questions of Menaing in Contemporay Culture. Indiana University Press, 1994.

Ramos, Fernão Pessoa. A Imagem-Câmera. Papirus, 2012.

Sobchack, Vivian. Carnal Thoughts – embodiment and moving image culture. Univ. of California Press, 2004.

Whalberg, Malin. Documentary Time: Film and Phenomenology. Univ. Minessota Press, 2008