/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
História e ficção seriada: o caso da websérie “Heróis
Autor
Dennison de Oliveira
Resumo Expandido
Na segunda década do século XXI ocorreu no Brasil a consolidação do formato da ficção seriada sob a forma de websérie. Essa consolidação se expressa sob uma variedade de formas, sendo as mais notáveis os crescentes custos, complexidade técnica e tamanho do público atingido por essa nova modalidade de produto cultural. O tema dessa pesquisa é a websérie brasileira “Heróis: o Brasil na Segunda Guerra Mundial”, dedicada a narrar a história de três combatentes da Força Expedicionária Brasileira (FEB) em luta na frente italiana durante a Segunda Guerra Mundial.

São três os objetivos dessa pesquisa. O primeiro é analisar as condições sociais de produção, distribuição e consumo desse novo produto audiovisual. Embora os requisitos técnicos de captação e edição de imagens sejam comuns a outros tipos de produção audiovisual, sua distribuição e consumo se regem pelas novas – e frequentemente efêmeras – regras de distribuição e consumo de conteúdos na Internet. É importante se levar em conta que o público a que a websérie apela tem que ser disputado com uma variedade de conteúdos que incessantemente são colocados à sua disposição na rede. A audiência tem que ser tirada às redes sociais, canais de vídeo, chats, jogos em rede, etc. tornando a dinâmica de atração da atenção do público particularmente difícil de ser lograda. Também é notável que se trata de um público acostumado a interagir com os realizadores, levando a uma expectativa de intervir no desdobramento da série através dessa interação.

Um segundo objetivo dessa pesquisa é interpretar a relação que o conteúdo estabelece tanto com a época de sua realização (início da segunda década do século XXI) quanto a que retrata (a participação brasileira na Segunda Guerra Mundial). Não se pode perder de vista que vivemos uma época pautada pelo presentismo no qual o conhecimento histórico parece ter perdido sua função primordial de prover uma interpretação do presente no qual vivemos. Pelo contrário, o presente é entendido sempre com referência a ele mesmo, o conhecimento histórico não é relevante para a compreensão da realidade e assume características caricatas ou de simples curiosidade. Já a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial constitui historicamente um tema polêmico. A cinematografia nacional não tem sido feliz em prover interpretações coerentes e relevantes da história nacional daquele período, assumindo por vezes postura bastante crítica – senão jocosa – ao retratar a luta dos brasileiros na Campanha da Itália na Segunda Guerra Mundial como se nota, por exemplo, no polêmico filme “Radio Auriverde” de Sylvio Back. A própria novela “Roque Santeiro” (1985) da Rede Globo, provavelmente o maior sucesso do gênero nos anos 1980, teve seu argumento original baseado precisamente no suposto heroísmo fraudulento de um falso herói da FEB. A problemática relação de boa parte dos produtores audiovisuais com a instituição Exército durante a Ditadura Militar (1964-1985), reatualizada no presente sob a forma das descobertas e divulgações da “Comissão da Verdade”, também é um obstáculo no processo de se forjar abordagens simpáticas ou elogiosas da atuação da Força Expedicionária Brasileira. Ao assumir uma perspectiva inequivocamente heroica para retratar os combatentes brasileiros o filme, realizado por um produtor sem vínculos com o Exército, certamente inovou.

Tudo isso nos leva ao terceiro objetivo dessa pesquisa. Interpretar que tipo de história nos conta o filme, através do exame tanto da sua forma quanto do seu conteúdo. Aqui o foco é no entendimento da diegese e dos respectivos elementos visuais e sonoros empregados pelos realizadores no esforço de se contar a história. A contextualização histórica, o sentido da história, a caracterização dos personagens, a trilha sonora, os efeitos visuais e sonoros, as locações escolhidas, etc. serão descritos e analisados.

Bibliografia

AERAPHE, G. Webséries: criação e desenvolvimento. Belo Horizonte, 2013. Disponível em: http://www.gutoaeraphe.com.br/#!livro-webseries/c14t

BERNARDET, Jean Claude. e RAMOS, Alcides Freire. Cinema e História do Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 1994

BODNAR, John. Saving Private Ryan and Postwar Memory in America. The American Historical Review, Vol. 106, No. 3 (Jun., 2001), pp. 805-817

BOGGS, Carl. Pearl Harbor: How Film Conquers History. New Political Science, Volume 28, Issue 4, 2006 , pages 451 – 466

CAPELATO, Maria Helena et al. História e cinema, São Paulo, Alameda, 2007.

OLIVEIRA, D. (org.) A Força Expedicionária Brasileira e a Segunda Guerra Mundial: estudos e pesquisas. Disponível em: http://www.humanas.ufpr.br/portal/historia/graduacao/publicacoes/

OLIVEIRA, D. (Org.) História e audiovisual no Brasil do século XXI. Curitiba, Juruá, 2011.

ROSENSTONE, R.A. History on Film/Film on history. Harlow, California Institute of Technology, 2006.