/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
O cine-Portugal de Edgar Pêra
Autor
Ana Soares
Resumo Expandido
A obra de Edgar Pêra ultrapassa já a vintena de filmes e merece um olhar crítico que a enquadre no âmbito do cinema português e que questione a sua posição numa ideia de cinema de língua portuguesa. A partir dos fortes traços documentais de grande parte dos seus filmes pretendo, por um lado, interrogar o conceito de documentário; por outro lado, a concentração que os filmes de Edgar Pêra enfocam sobre tópicos, personalidades ou estéticas relacionadas com Portugal e com a língua portuguesa (nomeadamente no trabalho sobre a grafia e a fonética das palavras) permitirá uma reflexão sobre a portugalidade que eles constroem.

Em A Cidade de Cassiano (1991) indicia-se uma abordagem que pode ser tomada como exemplificativa do movimento documental e da construção de uma ideia de nacionalidade que outros filmes igualmente sublinham. A Janela (Maryalva Mix) (2004) joga com uma figura estereotipada que sucessivamente desmonta e reconstrói, até pelo título. Em Manual de Evasão (LX94), estreado em 1994 e com uma revisitação recente, é todo um mundo ficcionado que se funda sobre a cidade que se dispõe a ser registada.

O próprio realizador define-se através das seguintes palavras: “Nasci do casamento entre duas famílias de documentaristas: aquelas que planificam tudo e determinam tudo à partida; e aqueles que saem para filmar seja o que for que está lá fora.” A minha proposta é que um olhar atento aos seus filmes revela, porém, uma complexidade maior do que esta simples dicotomia auto-definidora aponta: o filho desta união acrescentou uma série de dinâmicas de pós-produção, que assume de maneira explícita e até descarada nos seus filmes, e que os transformou em objetos particulares de natureza muito peculiar - já não apenas meros registos de uma realidade pré-existente, mas também em alguma coisa que ultrapassa o cumprimento de uma planificação pré-determinada de uma tomada ou de um ponto de vista.

Desde os ritmos diferenciados de montagem a jogos com a divisão da tela, nestas como noutras obras de Edgar Pêra tanto se experimenta uma estética fílmica quanto se explora o objecto documentado - Lisboa, e através dela um símbolo da nação. A manipulação de imagens e sons, telas múltiplas, uma montagem de ritmo frenético que incorpora também grafias de palavras enunciadas, a criação de um alfabeto e de modos antif-normatizados de escrita da língua portuguesa: são estes vários dos elementos que, em quase toda a obra de Pêra fazem sublinhar e entrar em diálogo com o espectador a riqueza experimental que ao mesmo tempo é um tributo aos temas documentados (Lisboa, Carlos Paredes, a seleção nacional de futebol ou os Madredeus, todos símbolos de Portugal. Exploring Pêra’s films will help understand an image of the nation. A cultura, a arquitectura, a paisagem, ou as personalidades portuguesas ganham perspectivas a partir de prismas que questionam o ortodoxo discurso do mainstream e se propõem como um folclore de vanguarda: ao mesmo tempo, registando o que lhe está fora e dando a ver imagens, palavras e sons de uma nacionalidade inventada.
Bibliografia

Filmografia da Edgar Pêra