/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Metáporos: uma proposta de pesquisa para o campo do cinema e novas exp
Autor
Eliany Salvatierra Machado
Resumo Expandido
No campo da Comunicação novos estudos estão sendo realizados. Entre as pesquisas mais recentes encontramos a Nova Teoria da Comunicação apresentada por Ciro Marcondes Filho. Para Marcondes Filho a Comunicação é um acontecimento, algo que te faz pensar, que te atravessa. O termo Comunicação não está ligado somente aos meios de comunicação social, mas a sensação.

Para realizar as pesquisas que estudem o acontecimento a proposta da Nova Teria é seguir o metáporos ou o caminho do meio.

Metáporos não separa sujeito e objeto, os dois estão juntos. O pesquisador não tem a obrigação de encontrar uma verdade, ao contrário percebe o objeto como fugidio e tenta descrevê-lo, apreende-lo antes mesmo que escape.

É uma outra forma de compreender a pesquisa e os procedimentos metodológicos.

Metáporos percorre o caminho das percepções e pode nos aproximar muito mais do que é aprendido pelo receptor na relação que ele estabelece com o filme ou a expressão fílmica.

É uma outra forma de pensar e fazer pesquisa. Apresentamos o metáporos no Socine por que acreditamos que é possível estudar o cinema e a arte de outra forma, distante do positivismo ou do materialismo dialético.

O Metáporos demanda um olhar diferente para a comunicação, por isso é importante rever algumas características básicas do acontecimento comunicacional, que segundo Marcondes Filho são: 1. O objeto é novo, ágil, cobrando do procedimento investigativo uma atitude igualmente dinâmica; 2. O objeto é transitório, exige que o pesquisador atribua legitimidade a esse estado passageiro; 3. O objeto está assentado no movimento, daí impondo ao estudioso uma atitude emparelhada no mesmo processo; 4. O acontecimento não avisa que irá se dar: cabe ao pesquisador a identificação de sua

fulguração e a iniciativa de acompanhá-la. As quatro características – novidade, efemeridade, movimento e imprevisibilidade – ficam mais evidentes quando as definimos segundo a razão inversa: o objeto não é conhecido nem conceituado; não permanece por muito tempo; não está parado, estacionado ou “congelado” e, por último, não avisa quando irá acontecer novamente.

As características aqui apresentadas correspondem as novas formas de fazer e pensar cinema. Por isso, metáporos pode ser um novo caminho para realizar pesquisas de novos objetos

Bibliografia

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosófia. 5ª ed., Tradução: Alfredo BOSI. São Paulo, Martins Fontes, 2007.

ADORNO, Theodor W. e Max HORKHEIMER. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução: Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1985.

ARENDT, Hannah. A condição Humana. 10ª ed. Tradução: Roberto Raposo. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2000.

________________. Entre o passado e o futuro. 4ª ed. Tradução: Mauro W. Barbosa de Almeida. São Paulo, Perspectiva, 1997. 1996/97.

LYOTARD, Jean – François. O Pós-moderno explicado às crianças, 2ª ed. Lisboa, Portugal, Ed. Dom Quixote, 1993.

MARCONDES FILHO, Ciro (Coord. Geral). Pensar - Pulsar: Cultura comunicacional, tecnologias, velocidade. São Paulo: NTC, 1996.

_____________________. O espelho e a máscara: o enigma da comunicação no caminho do meio. São Paulo,