/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Opções de dramaturgia e encenação no programa infantil Teatro Rá Tim B
Autor
Gabriela Borges
Resumo Expandido
Este trabalho tem o intuito de apresentar uma análise do programa Teatro Rá Tim Bum atualmente em exibição na TV Rá Tim Bum. Como a mais recente oferta da linha de produtos infantis Rá Tim Bum, este programa leva para a tela da televisão a adaptação de textos clássicos do teatro. O programa transcriou para a televisão peças tais como Rapunzel, Chapeuzinho Vermelho, João e Maria, João e o Pé de Feijão, entre outras. Neste sentido, pretendemos discutir, por um lado, as particularidades da transcriação teatro – audiovisual e, por outro lado, a importância da promoção da literacia midiática no desenvolvimento de uma linguagem apropriada ao público infantil.

Desde Rá Tim Bum, o primeiro programa exibido em 1990, passando por Castelo Rá Tim Bum, Ilha Rá Tim Bum e mais recentemente Teatro Rá Tim Bum, a franquia televisiva tem levado às telas entretenimento de qualidade para o público infantil. Como ressalta Machado (2000), o conceito de qualidade, apesar de ser controverso e encontrar alguns detratores no mundo acadêmico, vem sendo discutido no que diz respeito à programação infantil desde os anos 1980, ganhando especial relevância no contexto de convergência das mídias em que vivemos atualmente. Autores como Pereira (2007) e Borges (2007) apresentam diferentes abordagens e ressaltam a importância de ampliar a discussão da qualidade a respeito da produção contemporânea dirigida a este público.

A TV Rá Tim Bum é um canal direcionado ao público infantil, com ênfase na produção brasileira, e com uma programação que prima pela diversidade e qualidade. Com uma oferta diversificada dividida em faixas de programação, tais como Hora de história, Quintal da cultura, Aventuras em série, Hora animada, É hora, é hora, é hora de rá tim bum!, Quintal da cultura especial, Mistureba, Laboratório Rá tim bum!, e a exibição de outros clássicos da televisão pública brasileira como TV Cocoricó e Vila Sésamo, a produção do canal está sustentada no trinômio do serviço público entreter, informar e educar.

Sendo assim, este trabalho apresenta, num primeiro momento, uma discussão sobre o contexto da produção de programas infantis na televisão brasileira, com ênfase no papel desempenhado pela TV Rá Tim Bum, procurando refletir sobre as novas tendências da programação, tendo em conta as potencialidades da tecnologia digital, a produção para multiplataformas e a parceria com as produtoras independentes.

Num segundo momento, temos como objetivo abordar as diferentes perspectivas pelas quais a questão da qualidade e da diversidade podem ser entendidas a partir da definição de parâmetros de qualidade, na sua relação com a literacia midiática, para a análise de programas infantis e juvenis. Num terceiro momento, pretendemos fazer uma seleção de episódios do programa Teatro Rá Tim Bum para discutir as opções de dramaturgia e encenação da transcriação para a televisão de clássicos do teatro infantil.

Por fim, é necessário ressaltar que este trabalho é parte integrante do projeto Observatório da Qualidade no Audiovisual que está sendo desenvolvido na Universidade Federal de Juiz de Fora.

Bibliografia

Borges, G. e Reia-Baptista, V. (org.). (2008): Discursos e práticas de qualidade na televisão, Lisboa, Livros Horizonte.

----------------, (2007): “Programação infanto-juvenil de qualidade: o caso da RTP2 de Portugal”, E-Compós, Ed.8, Abril, [Consulta em 20/08/12].

Livingstone, S. 2004. What is media literacy? Intermedia, 32 (3). pp. 18-20. http://eprints.lse.ac.uk/1027/1/What_is_media_literacy_(LSERO).pdf. [Consulta: 19/03/13].

Machado, A. (2000). A televisão levada a sério. São Paulo, Senac.

Mepham, John (1990). “The Ethics of quality in television” in Mulgan, Geoff (ed.). The Question of quality. Londres, BFI.

Pereira, S. (2007). A Minha TV é Um Mundo. Programação para crianças na era do ecrã global. Porto, Campo das Letras.

Pujadas, E. (2002). “Televisón de calidad y pragmatismo” in Quaderns del CAC. N°13, Mai-Ago. .