/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Animação: inventando e reinventando o cinema
Autor
Carla Schneider
Coautor
Alexandre Rocha da Silva
Resumo Expandido
Considerar a sobrevivência das imagens no cinema como um tópico reflexivo-crítico implica trazer, para o debate, o caráter híbrido que configura a sua atual visualidade. Um dos caminhos desta linha de raciocínio implica o entendimento do cinema como um “sistema dinâmico que se transforma em conformidade com os novos desafios que lhe lança a sociedade” (MACHADO, 1997, p. 213) e, portanto, requer um olhar investigativo sobre as conexões entre os elementos que compõem os modos de produção de suas imagens.



Constata-se, por exemplo, que o conceito “plano cinematográfico” desdobra-se em pelo menos duas perspectivas: a) plano cinematográfico tradicional – se constitui pela conjunção de três dispositivos técnicos (câmera, sistema óptico e película fotossensível) que possibilitam a duplicação da realidade captada e reapresentada, na projeção; b) plano cinematográfico contemporâneo – requer o uso de um ou mais dispositivos técnicos (câmera, computador, sistema óptico e tecnologia digital) que viabilizam a sua expansão em uma “infinidade de planos dentro de cada tela, encavalados, superpostos, recortados uns dentro dos outros” (MACHADO, 2007, p. 69). À luz dos estudos de Laurent Mannoni (2003) compreende-se que o plano tradicional está vinculado a projeções de filmes de fotografias animadas (vistas), processo creditado a Auguste e Louis Lumière, em 1895; e pondera-se que o plano contemporâneo contém a ideia estrutural desenvolvida por Émile Reynaud, em 1892, para o Teatro Óptico. Tal dispositivo detinha a capacidade de projetar filmes de animação, com até 15 minutos de duração, que resultavam da sobreposição de duas camadas de imagem, isto é, ao fundo estava o cenário que recebia a sequência de personagens pintados, em posições distintas, sobre fita transparente.



A proximidade entre os marcos históricos registrados em 1892 e 1895, protagonizados respectivamente por Reynaud e os irmãos Lumière, aponta para a evidência de que “não existe hiato entre o teatro óptico e a projeção cronofotográfica ou cinematográfica, mas uma continuidade, uma filiação essencial. O “filme pintado” tem aliás uma posteridade impactante, na pessoa de Norman McLaren, por exemplo. Reynaud não é, portanto, um “precursor”; o que ele fez foi de verdade cinema de verdade, tanto como espetáculo como “escritura do movimento” (MANNONI, 2003, p. 378).



Neste sentido, faz-se necessário assumir que a definição de animação vincula-se ao princípio básico que cria a ilusão do movimento, ao apresentar imagens sequenciais em rápida sucessão e breves intervalos (CHONG, 2011), princípio este que é identificado no cerne de vários dispositivos ópticos do período pré-cinema (laterna mágica, taumatoscopia, praxinoscopia, fenaquistiscopia, cronofotografia, entre outros) e que, consequentemente, o caracteriza como a lógica processual que funda o cinema (MANOVICH, 2001).



Entretanto, cruzando ideias desenvolvidas por Arlindo Machado (1997, 2007), Lev Manovich (2001) e Dick Tomasovic (2004) constata-se que o cinema e a animação se distanciam quando se identificam seus modelos conceituais. Os filmes que seguem o modelo Lumière, apresentam o life-action operado pela máquina que duplica o registro da realidade e investe todos os esforços para esconder qualquer rastro que possa revelar os truques de dissimulação. Já os filmes de animação lidam com o modelo de Georges Méliès que, além de fazerem emergir elementos da ordem do onírico, da magia, não conseguem esconder completamente a sua artificialidade, são os trick films.



Por este ponto de vista, é possível afirmar que “o cinema de animação promove a reinvenção permanente do cinema, graças, em particular, à exposição de sua técnica (JOUBERT-LAURENCIN, apud TOMASOVIC, 2004, p. 131)” e esta questão é exemplificada através de mesclagens e hibridismo percebidos em filmes como Final Fantasy: The Spirits Within (Hironobu Sakaguchi, Motonori Sakakibara, 2001), Film Fast (Virgílio Widrich, 2003) e Beowulf (Robert Zemeckis, 2007).

Bibliografia

CHONG, Andrew. Animação Digital. Porto Alegre: Bookman, 2011.



DENIS, Sébastien. O cinema de animação. Lisboa: Texto & Grafia, 2010.



MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas & pós-cinemas. Campinas: Papirus, 1997.



MACHADO, Arlindo. Arte e mídia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.



MANOVICH, Lev. The Language of New Media. London: The MIT Press, 2001.



MANNONI, Laurent. A grande arte da luz e da sombra: arqueologia do cinema. São Paulo: SENAC, UNESP, 2003.



TOMASOVIC, Dick. Ré-animer l’histoire du cinema: quand l’animatographe explore le cinématographe. In: Cinémas: revue d'études cinématographiques / Cinémas: Journal of Film Studies, vol. 14, n° 2-3, 2004, p. 119-141.