/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Misère au Borinage: imagem, montagem e politização do mundo social
Autor
Ana Amélia da Silva
Resumo Expandido
As imagens, cenas e olhares informados pelos recursos cinematográficos adotados em Borinage, servem para a reflexão sobre os nexos entre cinema e sociedade ao expressarem, na periferia belga dos anos 30, os contextos da pobreza, miséria, ação e lutas sociais dos trabalhadores mineiros em greve. Assim, os recortes interpretativos selecionados seguem as seguintes dimensões.

A primeira delas refere-se ao contexto histórico, social e político de Borinage, e, não por acaso, Joris Ivens e Jean Vigo aparecem nos estudos de crítica cinematográfica, como destacados documentaristas de “intervenção social”. Trata-se de situar este filme, também, na historicidade de outro importante filme político que o precede – Khule Wamp, ou a quem pertence o mundo? (1932), dirigido por Slatan Dudow, com roteiro de Bertolt Brecht, nos estertores da República de Weimar, assim como o filme que se seguiria em 1935 - Triunfo da Vontade de Leni Rienfesthal. Certamente, não se trata aqui de uma análise comparativa destes filmes, bastante diversos entre si, o que extrapolaria os limites desta intervenção.

Trata-se, como segunda dimensão, de inserir Borinage nos limiares de um filme que foi classificado como “militante”, “engajado”, “de resistência”, “filme avant-garde”, “filme de arte” e cinema político, entre outros. Cenas, sequencias e recursos de montagem serão retomados na ótica da construção de sentidos, tendo por fundo analítico as considerações de Benjamin sobre o teatro épico de Brecht. Principalmente aquelas que se referem a filmes que despertam a compaixão e a identidade afetiva, em que a estetização da miséria impulsiona a contemplação passiva, ao avesso de outros que, operando pela interrupção e distanciamento crítico, reconstroem a politização do mundo social no qual seus autores intervêm como realizadores.

Finalmente, toda revisita implica em novas conexões de sentido. O olhar para estas imagens e a forma como foram montadas remete a breves considerações dos desafios antepostos ao cinema contemporâneo, frente à atual (re)configuração das desigualdades sociais, tendo em vista a saturação das imagens televisivas de conciliação.

Bibliografia

BENJAMIN, Walter. Passagens, Belo Horizonte: UFMG/ Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.

_________________ Tentativas sobre Brecht – Iluminaciones 3. Madrid: Taurus, 198

_________________ Selected Writings, vol 4, 1938-1940. Edited by Howard Eiland & Michael W.Jennings, Harvard University Press, edition 2006.

COMOLLI, Jean-Louis. Cine contra espectáculo – seguido de Técnica e ideologia. Buenos Aires: Manantial, 2010.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Cuando las imágenes toman posición – El ojo de la Historia 1. Madrid: A. Machado Libros, 2008.

HANSEN, Miriam Bratu. Cinema and Experience – Siegfried Kracauer, Walter Benjamin, and Theodor W.Adorno. Califórnia: University of California Press, 2012.

ISHAGHPOUR, Youssef. Historicité du cinéma. Tours: Éditions Farrago, 2004.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico – a opacidade e a transparência (3ª Ed.), Rio de Janeiro (ou São Paulo): Paz e Terra, 2005

Filmografia:Joris IVENS e Henri STORCK. Misère au Borinage, 34min. Bélgica, 1934.