/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Pela primeira vez: cine latino-americano na Jornada da Bahia.
Autor
José Umbelino de Sousa Pinheiro Brasil
Resumo Expandido
“O tempo e o progresso destruíram a pureza daqueles ideais” (Bob Dylan, no documentário “Direction Home” de Martin Scorsese).



Pela primeira vez: cine latino-americano na Jornada da Bahia projeta um passado recente: o da afirmação de um cinema latino-americano cuja palavra de ordem foi a da sustentação de uma arte revolucionária e de vanguarda, durante as décadas dos sessenta e setenta. Essas premissas vanguardistas e revolucionárias aos poucos foram sendo recolocadas noutro lugar e em outro espaço. Destaca, especificamente, os realizadores: Fernando Birri, cineasta argentino, fundador da Escuela de Cine de San Antonio de los Baños e da Escola de Documentarista de Santa Fé, Argentina e autor de uma obra prima “Tire Die”; Fernando Solanas, cineasta argentino, reverenciado pelo documentário “La hora de los Hornos”; Santiago Alvarez, documentarista cubano, autor de filmes, por exemplo, “79 Primaveras” Now”, “De America soy hijo...e a ella me debo”, “Y el cielo fue tomado por assalto”; Paul Leduc, cineasta mexicano autor de “Frida, Natureza Morta”; Patrício Guzman, chileno, autor de “Salvador Alende”, “Madrid”, “El caso Pinochet”; Jorge Sanjines, cineasta boliviano, auto de uma obra enjagada politicamente e que se destaca pela beleza de suas imagens: “Ukamau” e “La nacion clandestina”.

Destaca o caráter inovador da Jornada da Bahia, que trouxe ao país cineastas latino-americanos para exibir e debater as suas obras, o que dificilmente seria possível se dar no circuito de exibição brasileiro. Enfim, salienta, a memória, censura, resistência, singularidade e a persistência do cinema latino americano, englobando, o brasileiro, e aponta para recuperação/restauração do acervo da Jornada da Bahia como referência para um legado da memória do cinema do Terceiro Mundo.

Bibliografia

Avelar, José Carlos. A ponte clandestina - teorias do cinema na América Latina.Edusp, Editora 34, Rio de Janeiro, 1995.

Almeida,Maria de Fátima Fontoura. Jornada Internacional de Cinema: A história. Faculdade de Comunicação/UFBA, Salvador, 2006 (Trabalho de Conclusão de Curso).

Caetano, Maria do Rosário. Cineastas Latino Americanos - entrevistas e filmes. Estação Liberdade,São Paulo, 1997.

Oroz. Silvia. Melodrama - o cinema de lágrimas da América Latina. Rio Fundo Editora, Rio de Janeiro, 1992

Oroz, Silvia. Gutierrez Alea - os filmes que não filmei. Editora Anima, Rio de Janeiro, 1985.

Paranaguá, Paulo. Cinema na América Latina - longe de Deus e perto de Hollywood. LPM, Porto Alegre, 1985.

Sarno, Geraldo. Glauber Rocha e o Cinema Latino Americano. CIEC/UFRJ, Rio de Janeiro, 1995.

Vilaça, Mariana. Cinema Cubano: revolução e política cultural.Alameda Casa Editorial, São Paulo, 2010.

Catálogos da Jornada Internacional de Cinema, Salvador, Bahia. (1973-2000).

Jornal da Jornada -SSA,Ba.